CDS quer ouvir Governo sobre urgência de obras na ponte 25 de Abril

Relatório alerta para fissuras na estrutura e diz existirem riscos graves de segurança

O CDS-PP pediu a audição no parlamento do ministro do Planeamento e Infraestruturas sobre a urgência de obras na ponte 25 de Abril, em Lisboa, revelada por um relatório divulgado hoje pela revista Visão.

No requerimento entregue no parlamento, o CDS pede também para ouvir na comissão de Economia e Obras Públicas os técnicos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) que concluíram existirem riscos graves de segurança na ponte, a exigir uma intervenção imediata.

Em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, o deputado Helder Amaral disse que é necessário esclarecer, da parte do Governo, se este é o único relatório que existe e que tipo de obras são necessárias.

É preciso esclarecer tudo até para que "não exista qualquer tipo de alarme" entre a população, justificou Helder Amaral, que anunciou que vai pedir a audição do ministro das Finanças, o "responsável disto tudo", que culpam pelas cativações de verbas que poderão explicar os atrasos no avanço de obras como a da ponte 25 de Abril, em Lisboa.

Helder Amaral acusou Mário Centeno de ser o responsável pelas cativações nos ministérios, exemplificando com o do Planeamento, com 459 milhões, e com a Infraestruturas de Portugal (IP), com mais de 300 milhões.

O que o CDS quer saber é se os eventuais atrasos no arranque das obras reclamadas pelo LNEC são causados pelas cativações.

"É preciso saber se as cativações têm consequências na falta de ação e intervenção deste tipo na ponte", afirmou, ao justificar o pedido de audição do titular das Finanças.

O ministro Mário Centeno, concluiu, "parece ser o responsável por isto tudo".

O relatório que alerta para fissuras na estrutura foi enviado há cerca de um mês para o Ministério das Finanças, de acordo com a Visão.

Na quarta-feira, a Infraestruturas de Portugal anunciou que a ponte sobre o Tejo será alvo durante dois anos de trabalhos de manutenção, orçados em 18 milhões de euros, estando previsto lançar ainda este mês o concurso público internacional para adjudicação da obra.

O gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas disse à Lusa que Pedro Marques ainda aguarda conhecimento oficial do pedido, mas "está sempre disponível" para esclarecer os deputados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).