CDS quer informações do Governo para inquérito aos Panamá Papers

Nuno Melo, eurodeputado do CDS, entregou um requerimento ao presidente da comissão de inquérito sobre branqueamento de capitais, elisão e evasão fiscais

O eurodeputado centrista Nuno Melo quer que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais remeta à comissão de inquérito aos Panamá Papers, do Parlamento Europeu, toda a informação sobre datas, beneficiários e operações das transferências ocultas para offshores.

Na quarta-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, explicou na Assembleia da República que as características das 14.484 transferências para offshores que escaparam ao controlo inspetivo da Autoridade Tributária estão a ser averiguadas, sublinhando que o valor oculto ultrapassou o declarado em 2014 e que "quase tudo o que foi para o Panamá está oculto".

Na sequência desta audição, Nuno Melo entregou esta quinta-feira um requerimento ao presidente da "comissão de inquérito sobre branqueamento de capitais, elisão e evasão fiscais" - constituída pelo Parlamento Europeu em junho de 2016 a propósito do caso dos Panamá Papers - para que Rocha Andrade seja oficiado "para informar sobre as datas concretas, beneficiários e operações relativas às transferências para o Panamá".

"Gostaria que o senhor secretário de Estado remetesse à comissão de inquérito aos Panamá Papers os documentos que possua relativamente a essas transferências e informasse sobre as entidades que procederam a essas operações, com a nota de que seria importante saber se foram legais ou se foram ilegais", explicou o eurodeputado do CDS-PP, em declarações à agência Lusa.

Segundo Nuno Melo, o segredo bancário aplica-se a bancos e não a "um secretário de Estado, que possa ter informações que são relevantes do ponto de vista da fiscalização dos parlamentos, quer dos parlamentos nacionais quer no caso do Parlamento Europeu".

"Estamos a falar de 10 mil milhões de euros, de dinheiro que transitou de Portugal para 'offshore', sob o qual como se ficou a saber o secretário de Estado tem informações que é importante que sejam entregues desde logo nesta comissão de inquérito aos Panamá Papers", reiterou.

O eurodeputado quer ainda perceber porque "é que informações bancárias que foram enviadas para a Autoridade Tributária portuguesa não passaram para o respetivo sistema central", uma vez que não se está a "falar de operações bancárias que não tenham sido comunicadas à autoridade tributária".

"Muito disto o secretário de Estado terá conhecimento e o CDS é o primeiro partido - até por razão histórica - a querer apurar tudo o que se passou e por isso apresenta este requerimento", justificou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.