CDS-PP questiona Ministério sobre sanções por danos em manuais escolares

A confederação das associações de pais considerou "não fazer qualquer sentido" a aplicação de coimas

O CDS-PP questionou hoje o Ministério da Educação sobre a aplicação de coimas aos alunos pela não devolução ou entrega danificada de manuais escolares, exigindo explicações sobre o tipo de sanções e as responsabilidades dos diretores de escola.

As deputadas Ana Rita Bessa e Ilda Araújo Novo subscrevem uma pergunta ao Ministério de Tiago Brandão Rodrigues na sequência da notícia do Jornal de Notícias, segundo a qual os diretores das escolas públicas vão punir quem devolver em mau estado ou não restituir os manuais escolares, atribuídos "a título de empréstimo" pelo Ministério da Educação.

"É intenção do Governo entregar aos diretores de escolas a responsabilidade de sancionar os alunos que não devolvam os manuais escolares ou os restituam danificados? Se sim, vai o Ministério da Educação esclarecer como devem atuar ou demite-se da sua responsabilidade", questionam as parlamentares centristas.

As deputadas do CDS-PP querem ainda saber que "tipo de sanções podem os alunos e os seus encarregados de educação esperar quando devolverem os manuais escolares no final do ano letivo".

O CDS-PP sustenta que o Estatuto do Aluno "não faz referência clara aos livros escolares nem indica os termos em que os diretores devem agir".

"Ao mesmo tempo que o Governo se demite da sua responsabilidade de definição integral da política de oferta e reutilização de manuais da qual fez 'bandeira política', permite atuações diferentes de escola para escola, com impactos potencialmente discriminatórios para as famílias e impõe aos senhores diretores uma sobrecarga adicional que, no entender do CDS-PP, deveria caber ao executivo", sustentam.

A confederação das associações de pais (COFAP) considerou hoje "não fazer qualquer sentido" a aplicação de coimas, argumentando que é "uma inversão de 180 graus do que estava previsto".

O presidente da COFAP, Jorge Ascenção, disse à Lusa que "não tinha conhecimento" desta situação e que a confederação irá "tentar perceber junto de quem de direito o que se está a passar".

"Inicialmente havia essa intenção, mas nós alertámos para o prejuízo das aprendizagens, alertámos para o facto de as crianças estarem a receber os seus primeiros livros", disse.

Nesse sentido, "há uma inversão de intencionalidade clara", considerou Jorge Ascenção, explicando que numa reunião com o Ministério da Educação, a pedido da CONFAP, foi transmitido, nomeadamente ao nível do primeiro ano, que "os manuais seriam gratuitos e não havia essa penalização".

Em declarações ao Jornal de Notícias, o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas, Filinto Lima, alertou para os riscos de "atuações heterogéneas" de escola para escola e de sobrecarregar os diretores com mais responsabilidades.

"O Ministério tem de estabelecer, cabalmente desde já, como devemos atuar. É uma decisão de muita responsabilidade para um diretor. Um aluno pode ter usado muito bem o manual e, mesmo assim, não estar em condições de ser reutilizado", afirmou Filinto Lima.

Já o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, Manuel Pereira, lamentou que o Governo venha sobrecarregar os diretores com mais uma responsabilidade.

Questionado pelo JN sobre a punição a aplicar pelos diretores de escolas e agrupamentos, o Ministério da Educação esclareceu apenas que, "no âmbito da autonomia e liberdade que detêm no processo, utilizarão certamente a forma mais adequada, também de acordo a sua realidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.