CDS-PP quer valor de impostos sobre combustíveis discriminados nas faturas

Pedro Mota Soares defende que "os consumidores têm o direito de saber para onde está a ir o seu dinheiro"

O CDS-PP apresentou hoje um projeto de lei para que as faturas de combustíveis discriminem o valor do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), informando os consumidores "para onde está a ir o seu dinheiro".

"Os consumidores têm o direito de saber para onde está a ir o seu dinheiro", defendeu o deputado centrista Pedro Mota Soares, em conferência de imprensa no parlamento, manifestando a expectativa de que a iniciativa legislativa possa ser "aprovada por unanimidade".

O valor do ISP deve passar a constar "de forma detalhada" das faturas de combustíveis, assim como "a quantidade e preço da incorporação de biocombustíveis", à semelhança do que já acontece com o Imposto de Valor Acrescentado (IVA), estabelece o projeto de lei centrista.

Pedro Mota Soares apontou que desde que o Governo decidiu aumentar em seis cêntimos o ISP, numa altura em que o preço do petróleo estava em mínimos históricos, e que permaneceu inalterado apesar da subida desses mesmos preços posteriormente, Portugal passou a estar quatro lugares acima da média europeia, quando estava cinco pontos abaixo.

"Quando olhamos para os preços dos combustíveis em janeiro de 2016, antes deste aumento do ISP, e hoje, verificamos que houve um aumento no gasóleo simples de 31 cêntimos por litro e houve um aumento na gasolina de 21 cêntimos por litro", apontou Mota Soares.

O dirigente centrista vincou que, conforme o CDS-PP apontou, este aumento do ISP não foi neutral, não se destinando a compensar as perdas em IVA da descida do preço do petróleo.

"Uma família que ateste um carro com 60 litros de gasolina vai pagar, neste momento, em média, 78 euros e, desses 78 euros, cerca de 50 euros são para IVA e para ISP. É muito importante que os consumidores possam conhecer esta matéria, para puderem escrutinar e ser mais exigentes até na relação que temos com o Estado", defendeu.

Ainda segundo as contas do CDS-PP, quem gaste um depósito de combustível por semana e faça cerca de 30 mil quilómetros por ano passou a gastar mais 926 euros por ano, em gasóleo, ou mais 655 euros por ano em gasolina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.