CDS-PP quer valor de impostos sobre combustíveis discriminados nas faturas

Pedro Mota Soares defende que "os consumidores têm o direito de saber para onde está a ir o seu dinheiro"

O CDS-PP apresentou hoje um projeto de lei para que as faturas de combustíveis discriminem o valor do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), informando os consumidores "para onde está a ir o seu dinheiro".

"Os consumidores têm o direito de saber para onde está a ir o seu dinheiro", defendeu o deputado centrista Pedro Mota Soares, em conferência de imprensa no parlamento, manifestando a expectativa de que a iniciativa legislativa possa ser "aprovada por unanimidade".

O valor do ISP deve passar a constar "de forma detalhada" das faturas de combustíveis, assim como "a quantidade e preço da incorporação de biocombustíveis", à semelhança do que já acontece com o Imposto de Valor Acrescentado (IVA), estabelece o projeto de lei centrista.

Pedro Mota Soares apontou que desde que o Governo decidiu aumentar em seis cêntimos o ISP, numa altura em que o preço do petróleo estava em mínimos históricos, e que permaneceu inalterado apesar da subida desses mesmos preços posteriormente, Portugal passou a estar quatro lugares acima da média europeia, quando estava cinco pontos abaixo.

"Quando olhamos para os preços dos combustíveis em janeiro de 2016, antes deste aumento do ISP, e hoje, verificamos que houve um aumento no gasóleo simples de 31 cêntimos por litro e houve um aumento na gasolina de 21 cêntimos por litro", apontou Mota Soares.

O dirigente centrista vincou que, conforme o CDS-PP apontou, este aumento do ISP não foi neutral, não se destinando a compensar as perdas em IVA da descida do preço do petróleo.

"Uma família que ateste um carro com 60 litros de gasolina vai pagar, neste momento, em média, 78 euros e, desses 78 euros, cerca de 50 euros são para IVA e para ISP. É muito importante que os consumidores possam conhecer esta matéria, para puderem escrutinar e ser mais exigentes até na relação que temos com o Estado", defendeu.

Ainda segundo as contas do CDS-PP, quem gaste um depósito de combustível por semana e faça cerca de 30 mil quilómetros por ano passou a gastar mais 926 euros por ano, em gasóleo, ou mais 655 euros por ano em gasolina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.