CDS-PP propõe reversão das alterações ao financiamento dos partidos

Centristas tinham apelado ao veto do PR à lei do financiamento dos partidos. Marcelo devolveu mesmo a lei ao parlamento

O CDS-PP apresentou hoje um projeto de lei no parlamento para reverter as polémicas alterações à legislação sobre financiamento dos partidos políticos, entretanto vetada pelo Presidente da República, acolhendo contudo as recomendações do Tribunal Constitucional (TC).

Em causa está a reposição de um teto máximo de angariação de fundos de 643.350 euros anuais por partido (1.500 vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais), a isenção de IVA somente para bens e serviços de difusão da mensagem política e não para toda a atividade partidária, bem como a aplicação da fiscalização das contas anuais, excluindo os processos pendentes em tribunais.

O líder parlamentar democrata-cristão, Nuno Magalhães, adiantou em conferência de imprensa que, em caso de rejeição pelos outros partidos da sua iniciativa, o CDS-PP irá propor a revogação das alterações, acrescentando que compreende e aceita que a reapreciação da matéria seja efetuada somente após a eleição da nova liderança do PSD, conforme foi pedido pelos sociais-democratas.

"A primeira proposta visa repor a existência do limite máximo ao financiamento dos partidos, a segunda visa manter o regime do IVA existente antes desta lei objeto do veto, a terceira visa clarificar o âmbito de aplicação da lei, quer aos processos judiciais, quer às ações de fiscalização pendentes", disse.

O presidente da bancada parlamentar centrista afirmou que a iniciativa do CDS fará com que o "objetivo inicial do grupo [de trabalho sobre o assunto] seja cumprido, por um lado, e, por outro, seja acolhido e respeitado o veto do Presidente da República".

Há mais de um ano, o TC solicitara ao parlamento uma alteração no modelo de fiscalização para introduzir uma instância de recurso das decisões tomadas, passando a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) a ser a responsável pela fiscalização das contas com a competência para aplicar as coimas e sanções, tendo sido constituído um grupo de trabalho na Assembleia da República para o efeito.

PSD, PS, BE, PCP e PEV concordaram ainda em mudar outras disposições relativas ao financiamento partidário, entre os quais o fim do limite para as verbas obtidas através de iniciativas de angariação de fundos e o alargamento do benefício da isenção do IVA a todas as atividades partidárias.

O Presidente da República vetou na terça-feira as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos, "com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos".

O veto presidencial obriga os deputados a duas opções: ou alteram o diploma, aprovado em dezembro por PSD, PS, BE, PCP e PEV e votos contra de CDS-PP e PAN, para ultrapassarem as dúvidas do chefe do Estado ou confirmam a lei com uma maioria alargada de dois terços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.