CDS-PP pede "prudência" à Câmara de Lisboa no caso da Segunda Circular

O CDS-PP propõe que a requalificação da Segunda Circular seja suspensa, e não anulada, para evitar indemnizações

O vereador do CDS-PP na Câmara de Lisboa apresenta na quinta-feira, em reunião privada, uma moção "pela prudência no processo da Segunda Circular", na qual sugere uma suspensão da obra em vez da anulação, de forma a evitar "avultadas indemnizações".

No documento, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o vereador João Gonçalves Pereira defende que, "em face do elevado risco em que incorre a Câmara Municipal de Lisboa de pagamento de avultadas indemnizações aos vários concorrentes, deve ser ponderada a suspensão e não a anulação da empreitada".

Segundo o autarca, isso poderá evitar "decisões lesivas do interesse público que se venham a revelar abaixo dos elevados padrões de rigor e exigência que devem guiar as decisões públicas".

Ao mesmo tempo, Gonçalves Pereira entende que, "sendo o valor da transparência e legalidade a primeira responsabilidade de qualquer decisor público, deverá ser facultada de imediato, a todas as forças partidárias", documentação referente ao processo.

A Câmara Municipal de Lisboa anulou o concurso para a requalificação da Segunda Circular e abriu um inquérito para averiguar a existência de eventuais "conflitos de interesses" por parte de um projetista, anunciou no início do mês o presidente da autarquia.

Fernando Medina afirmou, na ocasião, que "estas decisões resultam de o júri do concurso ter detetado indícios de conflitos de interesses, pelo facto de o autor do projeto de pavimentos ser também fabricante e comercializador de um dos componentes utilizados" na mistura betuminosa.

A decisão, que visa a não adjudicação da obra, também suspende "a empreitada já em curso relativa à intervenção na Segunda Circular, no troço entre o nó do RALIS e a Avenida de Berlim", iniciada a 04 de julho, já que "a equipa [envolvida] é a mesma", acrescentou.

O relatório do júri do concurso, a que a Lusa teve acesso, indica que "a coincidência entre o projetista e a fabricação/e ou comercialização" da mistura betuminosa que seria utilizada no pavimento levou os técnicos camarários a "acreditar estar na presença de um verdadeiro conflito de interesses".

O documento, datado de 26 de agosto, adianta que a denúncia foi feita por outra empresa concorrente, que alegou uma violação do artigo do código dos contratos públicos.

Contactado pela Lusa, o vereador do PCP João Bernardino referiu que o partido não vai apresentar nenhum documento na reunião privada.

"O que nós necessitamos agora é de mais esclarecimentos em relação à atuação do júri e é isso que vamos pedir amanhã [quinta-feira]", assinalou o comunista.

O PSD também não vai "tomar nenhuma iniciativa formal", disse à Lusa o social-democrata António Prôa.

Vai, contudo, "reiterar a exigência feita ao senhor presidente na prestação de informação sobre todos os procedimentos", bem como demonstrar o seu descontentamento por Fernando Medina "recusar ser transparente" com a oposição, apontou Prôa.

Depois de muita contestação, a Câmara de Lisboa avançou no início de julho com a primeira fase das obras de requalificação da Segunda Circular, entre o troço do nó do Regimento de Artilharia de Lisboa e a Avenida de Berlim.

A obra deveria terminar no início de outubro e, depois destes trabalhos, orçados em 750 mil euros, deveria iniciar-se a segunda empreitada, avaliada em 9,5 milhões, nos cerca de dez quilómetros entre o nó da Buraca e o aeroporto.

O projeto previa a requalificação da via, através da renovação do piso, substituição da iluminação pública e reparação do sistema de drenagem.

Visava ainda a arborização e ampliação do separador central, renovação da sinalética, criação de um sistema de retenção de veículos e introdução de guardas de segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.