CDS-PP pede "prudência" à Câmara de Lisboa no caso da Segunda Circular

O CDS-PP propõe que a requalificação da Segunda Circular seja suspensa, e não anulada, para evitar indemnizações

O vereador do CDS-PP na Câmara de Lisboa apresenta na quinta-feira, em reunião privada, uma moção "pela prudência no processo da Segunda Circular", na qual sugere uma suspensão da obra em vez da anulação, de forma a evitar "avultadas indemnizações".

No documento, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o vereador João Gonçalves Pereira defende que, "em face do elevado risco em que incorre a Câmara Municipal de Lisboa de pagamento de avultadas indemnizações aos vários concorrentes, deve ser ponderada a suspensão e não a anulação da empreitada".

Segundo o autarca, isso poderá evitar "decisões lesivas do interesse público que se venham a revelar abaixo dos elevados padrões de rigor e exigência que devem guiar as decisões públicas".

Ao mesmo tempo, Gonçalves Pereira entende que, "sendo o valor da transparência e legalidade a primeira responsabilidade de qualquer decisor público, deverá ser facultada de imediato, a todas as forças partidárias", documentação referente ao processo.

A Câmara Municipal de Lisboa anulou o concurso para a requalificação da Segunda Circular e abriu um inquérito para averiguar a existência de eventuais "conflitos de interesses" por parte de um projetista, anunciou no início do mês o presidente da autarquia.

Fernando Medina afirmou, na ocasião, que "estas decisões resultam de o júri do concurso ter detetado indícios de conflitos de interesses, pelo facto de o autor do projeto de pavimentos ser também fabricante e comercializador de um dos componentes utilizados" na mistura betuminosa.

A decisão, que visa a não adjudicação da obra, também suspende "a empreitada já em curso relativa à intervenção na Segunda Circular, no troço entre o nó do RALIS e a Avenida de Berlim", iniciada a 04 de julho, já que "a equipa [envolvida] é a mesma", acrescentou.

O relatório do júri do concurso, a que a Lusa teve acesso, indica que "a coincidência entre o projetista e a fabricação/e ou comercialização" da mistura betuminosa que seria utilizada no pavimento levou os técnicos camarários a "acreditar estar na presença de um verdadeiro conflito de interesses".

O documento, datado de 26 de agosto, adianta que a denúncia foi feita por outra empresa concorrente, que alegou uma violação do artigo do código dos contratos públicos.

Contactado pela Lusa, o vereador do PCP João Bernardino referiu que o partido não vai apresentar nenhum documento na reunião privada.

"O que nós necessitamos agora é de mais esclarecimentos em relação à atuação do júri e é isso que vamos pedir amanhã [quinta-feira]", assinalou o comunista.

O PSD também não vai "tomar nenhuma iniciativa formal", disse à Lusa o social-democrata António Prôa.

Vai, contudo, "reiterar a exigência feita ao senhor presidente na prestação de informação sobre todos os procedimentos", bem como demonstrar o seu descontentamento por Fernando Medina "recusar ser transparente" com a oposição, apontou Prôa.

Depois de muita contestação, a Câmara de Lisboa avançou no início de julho com a primeira fase das obras de requalificação da Segunda Circular, entre o troço do nó do Regimento de Artilharia de Lisboa e a Avenida de Berlim.

A obra deveria terminar no início de outubro e, depois destes trabalhos, orçados em 750 mil euros, deveria iniciar-se a segunda empreitada, avaliada em 9,5 milhões, nos cerca de dez quilómetros entre o nó da Buraca e o aeroporto.

O projeto previa a requalificação da via, através da renovação do piso, substituição da iluminação pública e reparação do sistema de drenagem.

Visava ainda a arborização e ampliação do separador central, renovação da sinalética, criação de um sistema de retenção de veículos e introdução de guardas de segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.