CDS-PP e PSD propõe seguro de renda. Fiador deixaria de existir

Proposta será apresentada amanhã no Parlamento

O CDS-PP e o PSD levam na quarta-feira à discussão no parlamento, em Lisboa, várias propostas na área da habitação, entre as quais um seguro de renda para evitar incumprimento pelos inquilinos e benefícios fiscais para senhorios.

Nas suas propostas, o CDS-PP recomenda ao Governo a criação de um novo sistema de fundos de reserva em articulação com os municípios, incentivos fiscais para promover o arrendamento habitacional e a criação de um seguro de renda.

O PSD já anunciou na passada semana as suas propostas, que, além da descida no IRS da taxa sobre as rendas já no próximo Orçamento e da criação de um seguro de renda, preveem também um aumento nas deduções com imóveis para os jovens.

Populares e social-democratas recomendam ao Governo a criação de um seguro de renda para limitar o risco do incumprimento pelo inquilino, dando mais segurança ao proprietário, evitando até a existência de fiador.

Para o CDS-PP, a "aposta, de vários governos, em medidas de incentivo à aquisição de habitação própria em detrimento do incentivo ao mercado do arrendamento" causou "um aumento do endividamento das famílias e falta de soluções de habitação mais ajustadas às necessidades da população, nomeadamente dos jovens".

Nesse sentido, propõe ao Governo que crie "um incentivo ao arrendamento habitacional, reduzindo a taxa de tributação autónoma, em sede de IRS, dos rendimentos prediais, resultantes de contratos de arrendamento para habitação".

À tributação geral de 28%, os centristas propõem que, no próximo Orçamento do Estado, sejam contempladas as exceções de 23% para contratos de arrendamento para habitação de duração superior a um ano e inferior a cinco anos, 15% para contratos entre cinco anos a oito anos e 12% para contrato de arrendamento para habitação de duração igual ou superior a oito anos.

CDS-PP e PSD propõe seguro de renda. Fiador deixaria de existir

O CDS-PP recomenda ao Governo a criação de um novo sistema de fundos de reserva, em articulação com os municípios, que assegure a fiscalização da sua existência e a utilização e gestão dos fundos de reserva, salientando que atualmente, na prática, "tal fundo de reserva não se encontra constituído pelos condomínios ou que é utilizado para outros fins".

Os centristas sugerem um levantamento do património imobiliário da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para "criar um programa com vista à reabilitação ou construção de imóveis para arrendamento para fins habitacionais a preços moderados" e, em articulação com a Câmara de Lisboa, a reabilitação dos edifícios da Colina de Santana, em Lisboa, "com vista ao arrendamento para fins habitacionais a preços moderados, principalmente dirigido a jovens e famílias de classe média".

O PSD defende a criação de subsídios de arrendamento para pessoas com mais de 65 anos e para aquelas com um grau de deficiência igual ou superior a 60% que tenham diminuição comprovada da sua capacidade financeira, bem como para as famílias numerosas e monoparentais "em situação de forte vulnerabilidade económica e social".

O pacote legislativo do PSD introduz uma medida destinada aos jovens até 30 anos, que passariam a poder deduzir até 750 euros os encargos com imóveis, sendo dedutível à coleta 20% dos valores suportados.

Por outro lado, os sociais-democratas querem também revogar o adicional do Imposto Municipal de Imóveis (AIMI), introduzido pelo atual Governo, que considera "punir" quem investe, apenas para arrecadar mais receita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.