CDS-PP diz que "naquilo que dependeu do Governo o país não esteve bem" em 2017

Reação ao discurso de ano novo do Presidente da República

O CDS-PP considerou hoje que, em 2017,"naquilo que dependeu do Governo", Portugal "não esteve bem" e que o "desempenho razoável" da economia se deveu à melhoria da conjuntura internacional e à ação do anterior executivo PSD/ CDS-PP.

"Naquilo que dependeu do Governo o país não esteve bem. No que não dependeu em grande parte do Governo, os resultados foram sendo melhores", afirmou o vice-presidente do CDS-PP, Nuno Melo, em Braga, numa reação à mensagem de Ano Novo do Presidente da República.

Na tradicional mensagem de Ano Novo, este ano transmitida em direto a partir da sua casa, em Cascais, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que 2018 terá de ser o "ano da reinvenção" da confiança, advertindo que os portugueses precisam de ter a certeza de que, "nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham".

Numa curta intervenção, quase sem se referir às palavras de Marcelo Rebelo de Sousa, o responsável do CDS-PP enumerou aquilo que o partido considerou ter corrido mal durante o ano de 2017, com destaque para o roubo de armamento em Tancos, para o "caso Raríssimas", para os incêndios e para a nova lei de financiamento dos partidos políticos.

"Em 2017, o Estado falhou no combate aos incêndios e no apoio às vítimas, respondeu tarde e respondeu mal. Em 2017, desapareceram armas dos quartéis e percebeu-se que na Defesa há um ministro que basicamente não faz qualquer diferença. Em 2017, o terceiro setor revelou, na Raríssimas, o desperdício absurdo onde faltam meios para quase tudo, apesar de denúncias que a tutela não validou por ausência de um ministro que nega responsabilidades que todo país já percebeu", enumerou.

"Em 2017 legislou-se também com a oposição do CDS, aprovando-se privilégios de regime de IVA para os partidos e abrindo-se a porta ao financiamento sem transparência e com menor controle das identidades públicas", lembrou.

Por aqueles motivos, sublinhou, "2017 não foi um ano particularmente saboroso para Portugal", embora tenham existido momentos menos negativos, mas que não aconteceram por ação do Governo de António Costa.

"Felizmente para Portugal, 2017 confirmou também uma melhoria da conjuntura económica internacional a par do saneamento das contas públicas e das reformas estruturais realizadas até 2015 e da explosão do Turismo, ajudaram a um desempenho razoável dos principais marcadores macroeconómicos", disse.

Nuno Melo apontou ainda que 2018 começa com aumento de impostos no setor dos combustíveis e aumentos em bens essenciais, o que, segundo o CDS-PP, contrasta com os anúncios que o Governo vai fazendo.

"Quando formos capazes todos de separar aquilo que é o tratamento mediático do Governo da sua ação política da realidade que nos vai penalizando, então é uma diferença que certamente saberemos validar num momento oportuno e, esse momento oportuno, será em 2019", referiu.

Sobre as palavras que Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu esta noite ao país, Nuno Melo disse apenas concordar com o Presidente da República quando este dividiu 2017 em dois: "Nesse ponto de vista, eu tenderia a concordar com o Presidente da República, até grande parte do ano tivemos algumas boas noticias, infelizmente naquilo que dependeu da intervenção do Governo as notícias foram o que se viu".

Ao Governo de António Costa, Nuno Melo deixou ainda um aviso: "O que poderão ter a certeza é que em 2018 o CDS continuará a ser uma oposição muito firme e ao mesmo tempo construtiva", disse.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.