CDS pede a ministro que assuma responsabilidades

Adalberto Campos Fernandes afirmou que o número de consultas de oftalmologia aumentou nos últimos anos, mas reconheceu que o SNS tem de aumentar a capacidade de resposta para atender principalmente à população idosa

A deputada do CDS-PP Isabel Galriça Neto defendeu esta terça-feira que o acesso aos cuidados de saúde em Portugal "está pior", não apenas na oftalmologia, pedindo ao ministro que assuma responsabilidades.

"Isto é muito, muito grave. O acesso está pior, são notícias atrás de notícias e este relatório feito por esta missão vem corroborar aquilo que estamos a dizer há mais de um ano, que as listas de espera aumentam, que os tempos para as consultas aumentam, e não é só em oftalmologia", disse à Lusa a deputada centrista.

Referindo-se a conclusões da Estratégia Nacional para a Saúde da Visão, que entra hoje em discussão pública, Isabel Galriça Neto sublinhou: "O senhor ministro tem de assumir responsabilidades".

"O senhor ministro já veio dizer que é preciso aumentar a resposta, mas até parece que ele não é o ministro da saúde, que tem a responsabilidade de aumentar a resposta", acrescentou.

Relativamente à deslocalização do Infarmed para o Porto, a deputada do CDS antecipou ainda que na comissão parlamentar de Saúde de quarta-feira irá insistir na divulgação aos deputados do relatório do grupo de trabalho sobre aquela matéria, "que é da maior relevância e não é compaginável com especulações".

Na Estratégia Nacional para a Saúde da Visão, defende-se que, apesar do crescimento do número de consultas, a rede nacional de cuidados de saúde da visão, assente nos serviços de oftalmologia da estrutura hospitalar do Serviço Nacional de Saúde (SNS), tem "importantes insuficiências e constrangimentos".

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, afirmou que o número de consultas de oftalmologia aumentou nos últimos anos, mas reconheceu que o SNS tem de aumentar a capacidade de resposta para atender principalmente à população idosa.

"Temos uma população muito envelhecida, temos uma população que carece muito do acesso nomeadamente a consultas de oftalmologia, temos de ter mais capacidade resolutiva dentro do próprio sistema e temos que encontrar, quando não a temos, respostas para esses cidadãos", disse Adalberto Campos Fernandes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.