CDS exige explicações sobre não recondução de Macieira Fragoso

O almirante termina o mandato de três anos como Chefe do Estado-Maior da Armada no próximo dia 8 de dezembro.

O deputado do CDS-PP João Rebelo manifestou hoje estranheza pela não recondução do almirante Macieira Fragoso na chefia da Marinha e exigiu do Governo esclarecimentos sobre as razões dessa decisão, apelando também à intervenção do Presidente da República.

"Apelamos ao senhor Presidente da República, como Comandante Supremo das Forças Armadas e em última instância quem nomeia o próximo CEMA, para que acompanhe com muito cuidado esta situação e que tenha uma intervenção que modere e reequilibre tudo o que tem a ver com este processo", afirmou João Rebelo, em declarações à agência Lusa.

O deputado afirmou esperar que "por trás de tudo isto não exista outro tipo de motivações absolutamente alheias à dinâmica normal da substituição de um chefe militar" e considerou que o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, e o Governo, devem esclarecimentos ao parlamento e ao país.

"A partir do momento em que está na praça pública, o Governo deve essas informações ao país e ao parlamento", disse o deputado centrista, afirmando que "tudo levava a crer" que Macieira Fragoso, nomeado em 2013, seria reconduzido no cargo, o que a lei permite, por mais dois anos.

Segundo João Rebelo, Macieira Fragoso "era apreciado por todos os partidos por causa da franqueza e da qualidade de informação que era prestada" ao parlamento e também pela "visão muito positiva" da forma como exerceu as suas funções na chefia da Marinha.

Tendo em conta a "praxe" da rotação dos ramos na chefia do Estado-Maior General das Forças Armadas, que já há três anos não foi ocupado pela Marinha, João Rebelo questionou se na próxima rotação, em fevereiro, aquele ramo voltará a ser "preterido".

"Isto pode criar alguma instabilidade nas Forças Armadas e não é nada positivo que isso aconteça", reforçou.

O almirante Macieira Fragoso termina o mandato de três anos como Chefe do Estado-Maior da Armada no próximo dia 08 de dezembro.

Na quarta-feira, fontes ligadas ao ramo disseram à Lusa que o almirante não seria reconduzido no cargo.

Contactado pela Lusa, o ministério da Defesa Nacional confirmou que Macieira Fragoso esteve reunido com o ministro José Azeredo Lopes na terça-feira, recusando adiantar no entanto o resultado dessa reunião.

Exclusivos