CDS diz que alterações ao IMI de prédios rústicos são "reforma agrária por via fiscal"

"Esta proposta demonstra, mais uma vez, as duas fobias do PS: tributar tudo o que mexe e, muito especialmente, o património", disse Pedro Mota Soares

O CDS-PP acusou esta segunda-feira o Governo de preparar uma "reforma agrária por via fiscal" através de mudanças no cálculo do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) dos terrenos rústicos, que considera um ataque ao setor agrícola.

"Esta proposta demonstra, mais uma vez, as duas fobias do PS: tributar tudo o que mexe e, muito especialmente, o património. Há um ano houve um aumento de IMI para quem tinha vistas ou apanhava sol em casa. Agora, a fobia é para aumentar o IMI de terrenos acima de 50 hectares, numa espécie de reforma agrária por via fiscal", afirmou à Lusa o deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares.

O deputado centrista falava da medida hoje noticiada pelo Jornal de Negócios e que considerou ser dirigida aos "grandes proprietários a sul do país".

"Não é à toa que esta proposta vem do PCP. Que o PCP a faça é normal, que o PS a aceite é que já não me parece ser tão normal", afirmou, argumentando que a medida vai castigar a agricultura, que "deu a volta e tornou-se uma das atividades mais competitivas no quadro nacional".

"Houve muita gente a investir no setor agrícola, que agora é penalizado por este sucesso", acusou, apontando que, entre 2011 e 2015, a produtividade do setor agrícola subiu 12% e o crescimento dos produtos agrícolas 2,4%, sempre "muito acima da média nacional".

Os centristas vão dirigir uma pergunta ao Governo exigindo que explique como a medida vai ser tomada, quem foi ouvido, nomeadamente que diálogo foi estabelecido com o setor agrícola e um conjunto de outros setores que poderão ser afetados.

Segundo o Jornal de Negócios, o Governo quer levar até ao final do mês de abril uma proposta ao parlamento, com novos critérios de avaliação, designadamente uma simplificação e o abandono da regra de avaliação dos prédios rústicos pelo seu rendimento líquido, o retorno teórico que as culturas podem dar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.