CDS acusa Medina de ser "desleal" no concurso de publicidade nas ruas de Lisboa

Centristas querem explicações do presidente da Câmara de Lisboa sobre pressa na adjudicação de publicidade à JC Decaux.

Em comunicado, o CDS diz que "foi com espanto que soube pela comunicação social que será agendada para uma reunião de câmara extraordinária, no dia 14 de junho, a proposta relativa ao concurso exterior de Lisboa". E argumenta que é preciso mais tempo para analisar "uma matéria que tem elevada complexidade jurídica e técnica". Revela, ainda que o pedido para que esta matéria fosse tratada em reunião de ordinária da autarquia foi rejeitado. "Não tendo sido invocada qualquer razão de urgência", refere o documento.

"Entendemos que é desleal esta forma de relacionamento institucional entre as forças políticas representadas na CML, tanto mais que, importa lembrar, quem se atrasou (2 anos) no lançamento deste concurso foi o Partido Socialista", dizem os centristas. Argumentam que há ainda "incertezas jurídicas e técnicas sobre este procedimento" de adjudicação.

O concurso, que deveria estar concluído há mais de dois anos, tem estado envolto em polémica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.