Cavaco em silêncio sobre Rui Rio: "Hoje não vou falar com os senhores sobre nada"

Antigo Presidente da República esteve numa conferência na Sociedade de Geografia, onde relembrou quando Portugal foi "bom aluno" da Europa

O ex-primeiro-ministro Cavaco Silva fez hoje um "exercício de memória" sobre os primeiros dez anos de adesão à CEE, quando Portugal foi, disse, "bom aluno", e evitou falar sobre o novo líder do PSD, Rui Rio.

No início e no fim da conferência, na Sociedade de Geografia de Lisboa, os jornalistas perguntaram o que achou da eleição de Rui Rio para a presidência do PSD, mas Cavaco Silva, primeiro-ministro e líder do partido de 1985 a 1995, sorriu e só disse que nada ia dizer.

"Hoje não vou falar com os senhores [jornalistas] sobre nada", afirmou, antes de começar a sessão, na Sala Portugal, da centenária Sociedade de Geografia e repetiu quase o mesmo, depois de trocar umas palavras com o Pedro Passos Coelho, o ainda presidente do PSD, que assistiu à conferência.

Da conferência de uma hora e dez minutos, Cavaco Silva fez o elogio à opção europeia de Portugal, sem se referir a Mário Soares, o líder histórico do PS que lançou o processo de adesão, ficou a ideia do "grande salto" no desenvolvimento do país, recordando os elogios do antigo presidente da Comissão Europeia Jacques Delors a Portugal, quando dizia que era "um bom aluno".

Se em 1985, Portugal registava 53% da média europeia no rendimento per capita, recordou, evoluiu para 66% em 1995, o desemprego foi reduzido a 6%, o défice orçamental foi de 1,5%.

E foram feitas "reformas estruturais", como a revisão da lei laboral ou a reforma fiscal, com o IRS e o IRC.

O antigo Presidente da República (2005-2015) recordou reuniões duras, em Bruxelas, para renegociação e duplicação dos fundos comunitários para Portugal ao longo dos anos que foi primeiro-ministro.

Sem nunca falar de atualidade, nem mesmo quando lhe perguntaram da assistência porque deixou o país de crescer ao ritmo daquela década, Cavaco Silvou fez, no fim, uma metáfora a lembrar a tese do "bom aluno".

"Ao fim de 32 anos de adesão às Comunidades Europeias, os factos já demonstraram que o bom aluno atrai bons ventos e que o mau aluno atrai tempestades", disse.

Na assistência estavam, além de Pedro Passos Coelho, de Adriano Moreira, presidente honorário da Sociedade de Geografia, vários ex-ministros de Cavaco como João de Deus Pinheiro e Mira Amaral, e o secretário de Estado dos Assuntos Europeus Vítor Martins.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.