Cavaco, Sampaio, Soares e Eanes juntos em Belém

Numa cerimónia inédita, o Presidente da República e os três outros chefes de Estado eleitos pós-25 de Abril juntam-se segunda-feira no Palácio de Belém para assinalar o 37.º aniversário da Revolução.

Será a primeira vez que o 25 de Abril será assinalado desta forma no Palácio de Belém, numa cerimónia que acabará assim por 'substituir' a tradicional sessão solene comemorativa da 'Revolução dos Cravos' na Assembleia da República, que este ano foi cancelada depois da dissolução do Parlamento. O dia começará cedo no Palácio de Belém, com abertura dos jardins ao público logo pelas 10:00. Meia hora depois começará o primeiro concerto do dia, pela Banda da Guarda Nacional Republicana, no Jardim da Cascata. Ao meio-dia, no Pátio dos Bichos terá início a sessão comemorativa do 25 de Abril, com intervenções dos três chefes de Estado eleitos pós-25 de Abril, Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio, além de um discurso do actual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Depois de um breve momento musical pelos pianistas Mário Laginha e Bernardo Sassetti, Cavaco Silva irá agraciar sete personalidades, entre os quais o antigo presidente da Assembleia da República Barbosa de Melo, e condecorará o Banco Alimentar Contra a Fome como membro honorário da Ordem da Liberdade. Cavaco Silva, Jorge Sampaio, Mário Soares e Ramalho Eanes almoçam, depois, juntos no Palácio de Belém. A esta cerimónia irão assistir como convidados o primeiro-ministro, José Sócrates, várias instâncias do Estado, os líderes do PSD e do CDS-PP, Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, representantes dos partidos com assento parlamentar, além de entidades ligadas ao 25 de Abril. Durante a tarde, os jardins do Palácio de Belém continuarão abertos ao público, que poderá visitar várias exposições, além de assistir a actuações do Grupo Coral "Os Ceifeiros de Cuba", do Grupo de Concertinas da Associação Cultural e Recreativa "As Palmeiras", de Castelo Branco, do Grupo de Cavaquinhos da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, além do concerto "Grândolas", por Bernardo Sassetti e Mário Laginha.

Ainda durante a tarde, irá realizar-se o habitual desfile na Avenida da Liberdade, que contará com a presença de vários representantes do PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes. Os jardins do Palácio de São Bento, residência oficial do primeiro-ministro, também voltarão a ser abertos ao público entre as 15:00 e a 18:00, mas ao contrário do que tem acontecido nos últimos anos não haverá animação no local devido à contenção orçamental, nem está previsto que José Sócrates apareça. A Assembleia da República estará igualmente aberta ao público entre as 14:30 e as 18:00, com visitas livres e guiadas, uma oficina pedagógica e um espaço dedicado aos mais jovens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.