Cavaco e as autárquicas: "Acontece que não votei. Estava num casamento"

"Ao contrário de outros, nunca interferi na vida do meu partido. Cabe aos militantes decidirem o que é melhor para o partido e para o país", acrescentou sobre a recente decisão de Passos Coelho

Cavaco Silva recusou-se a comentar o resultado das últimas eleições autárquicas em Portugal, acrescentando que até nem votou, porque não estava no país.

"Acontece, até, que eu não votei, porque estava num casamento de um familiar muito próximo, na Escócia, no próprio dia, e por isso só acompanhei já na segunda-feira o que tinha ocorrido", afirmou o antigo primeiro-ministro e ex-Presidente da República, à margem da apresentação do livro Ética Aplicada à Economia, em declarações reproduzidas pelo Eco.

As declarações de Cavaco Silva são ainda mais surpreendentes não apenas pelos cargos públicos que ocupou como pelas declarações que fez, no passado, sobre a importância do voto.

Em relação ao facto de Pedro Passos Coelho não se recandidatar à liderança do PSD, recusou comentar, preferindo elogiar o "contributo" que o ainda líder social-democrata deu "para que Portugal, a partir de 2013, entrasse numa trajetória de crescimento económico, redução do desemprego e melhoria das condições de vida da população". Referiu ainda que "felizmente", estes indicadores têm vindo a "acentuar-se".

"Ao contrário de outros, nunca interferi na vida do meu partido. Cabe aos militantes decidirem o que é melhor para o partido e para o país", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.