Cavaco condecora António Sousa Lara

Presidente da República homenageou, o antigo subsecretário de Estado da Cultura, que impediu Saramago de se candidatar ao Prémio Literário Europeu, com o livro O Evangelho segundo Jesus Cristo

António Sousa Lara foi esta tarde agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique, destinada a "quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro".

O professor catedrático do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) foi subsecretário de Estado da Cultura (entre 1991 e 1992) e a sua passagem pelo governo chefiado por Cavaco Silva ficou marcada pelo veto à candidatura do livro de Saramago, O Evangelho segundo Jesus Cristo, ao Prémio Literário Europeu. Na altura Sousa Lara disse que a obra "não representava Portugal". Enquanto Saramago - que viria a ser consagrado Prémio Nobel da Literatura em 1998 - acusou Sousa Lara e Cavaco Silva de "censura".

Na cerimónia de hoje, o assunto foi naturalmente abordado, com o professor catedrático a desvalorizar o sucedido, defendendo a conotação ideológica do Governo na época. "Um Governo tem uma conotação ideológica, não tem que agradar a toda a gente, é um Governo da maioria contra a minoria em última análise. Toma medidas polémicas que democraticamente sufragadas têm de ser aceites", sublinhou Sousa Lara, que acredita ter recebido esta distinção pela sua carreira de docente.

Condecorados foram também a Casa do Artista, o professor catedrático e membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, Michel Renaud, os professores catedráticos Alberto Duarte Carvalho e António Costa de Albuquerque de Sousa Lara e Miguel Telles Antunes.

O músico e compositor Jorge Fernando da Silva Nunes, o docente universitário, jornalista e comentador Nuno de Assis Simões da Costa Rogeiro e o fundador da AESE Business School (Associação de Estudos Superiores de Empresa), José Luiz Carvalho Cardoso, foram outros dos agraciados por Cavaco Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.