Catarina Martins quer fim das taxas moderadoras

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu hoje o fim das taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde, que tornam "mais desigual o acesso à saúde", sugerindo que se cobrem "impostos a quem não tem pago a sua parte".

"As taxas moderadoras não servem para moderar nada, mas apenas para tornar mais desigual o acesso à saúde e, portanto, para reforçar o Serviço Nacional de Saúde acabem-se com as taxas moderadoras e cobrem-se impostos a quem não tem pago a sua parte", sugeriu Catarina Martins durante o discurso num almoço da campanha autárquica, que hoje decorreu em Ermesinde, Valongo, distrito do Porto.

A líder do BE deu como exemplo a notícia da edição de hoje do Jornal de Notícias, na qual se refere que "há milhões de euros em dívida de taxas moderadoras" e que há "utentes que precisam de aceder à saúde e que lhes é cobrada uma taxa moderadora que eles não podem pagar", havendo mesmo "serviços de saúde que fazem planos de pagamento".

"Eu acho que no próximo Orçamento do Estado é possível ter um compromisso pela saúde que tenha estes grandes princípios: o acesso de toda a gente à saúde, o cuidar bem dos profissionais que cuidam de nós e o dar o equipamento necessário para o SNS funcionar", reiterou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.