Catarina Martins quer fim das taxas moderadoras

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu hoje o fim das taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde, que tornam "mais desigual o acesso à saúde", sugerindo que se cobrem "impostos a quem não tem pago a sua parte".

"As taxas moderadoras não servem para moderar nada, mas apenas para tornar mais desigual o acesso à saúde e, portanto, para reforçar o Serviço Nacional de Saúde acabem-se com as taxas moderadoras e cobrem-se impostos a quem não tem pago a sua parte", sugeriu Catarina Martins durante o discurso num almoço da campanha autárquica, que hoje decorreu em Ermesinde, Valongo, distrito do Porto.

A líder do BE deu como exemplo a notícia da edição de hoje do Jornal de Notícias, na qual se refere que "há milhões de euros em dívida de taxas moderadoras" e que há "utentes que precisam de aceder à saúde e que lhes é cobrada uma taxa moderadora que eles não podem pagar", havendo mesmo "serviços de saúde que fazem planos de pagamento".

"Eu acho que no próximo Orçamento do Estado é possível ter um compromisso pela saúde que tenha estes grandes princípios: o acesso de toda a gente à saúde, o cuidar bem dos profissionais que cuidam de nós e o dar o equipamento necessário para o SNS funcionar", reiterou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.