Catarina Martins: "Não nos passa pela cabeça que a sobretaxa do IRS não acabe"

A coordenadora do Bloco de Esquerda afirmou neste sábado que o BE ainda aguarda a proposta do Orçamento do Estado para 2017

"Nós aguardamos que o Governo faça a sua proposta sobre o Orçamento do Estado, há como sabem algo que foi aprovado que é o fim da sobretaxa e não nos passa pela cabeça que a sobretaxa não acabe, acabou já para 90% dos contribuintes, mas há quem viva do seu trabalho e esteja a pagar uma sobretaxa do IRS que é injusta e que tem de acabar", declarou Catarina Martins.

A líder do BE respondia aos jornalistas sobre a notícia de hoje do jornal Público segundo a qual a sobretaxa do IRS não deverá acabar para todos ao mesmo tempo em 2017 como está previsto.

Para Catarina Martins, que falava na freguesia de Rabo de Peixe, concelho da Ribeira Grande, Açores, onde chegou hoje para dois dias de campanha para as eleições regionais de 16 de outubro, "há a prioridade que o Bloco de Esquerda tem afirmado de atualizar todas as pensões e que as pensões até 845 euros tenham um aumento de 10 euros".

Referindo apenas que sobre o Orçamento do Estado há ainda "muito em aberto" repetiu que cabe ao Governo do Partido Socialista apresentar a proposta.

O Bloco propõe a tributação de património imobiliário de luxo "para que o esforço de aumentar as pensões não recaia sobre quem vive do seu trabalho mas recaia sim sobre quem tem fortunas e nunca pagou a sua parte de imposto", prosseguiu.

A apresentação do Orçamento do Estado para 2017 está prevista para o dia 14 de outubro.

Falando numa freguesia desfavorecida que vive da pesca, Catarina Martins mostrou-se solidária com a comunidade piscatória numa altura em que a Comissão Europeia propôs a redução da quota do goraz em 10 toneladas, "que é um ataque tremendo a quem vive da pesca", disse.

"Estamos aqui solidariamente para dizer que não aceitamos que a redução seja feita sempre sobre os mesmos", disse Catarina Martins antes de partir para uma arruada pelas ruas da freguesia.

Catarina Martins e a cabeça de lista pelo círculo eleitoral de São Miguel, Zuraida Soares, percorreram algumas ruas da freguesia distribuindo apitos e panfletos e recebendo promessas de voto.

"Grande senhora, o meu voto é para si", disse um habitante a Catarina Martins, como se a coordenadora do BE fosse a votos.

Nas últimas eleições regionais, realizadas a 14 de outubro de 2012, o PS venceu com maioria absoluta e elegeu 31 deputados, seguido de PSD com 20 mandatos e do CDS-PP com três. BE, CDU e PPM elegeram um parlamentar cada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.