Catarina Martins lembra Cristas que "portugueses não esquecem" corte de pensões

"Cortou pensões aos reformados, fechou serviços públicos e fez a lei que liberalizou os eucaliptos", recorda a coordenadora do Bloco de Esquerda

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins respondeu hoje às ambições do CDS em ser alternativa à governação socialista afirmando que os portugueses não esquecem que Assunção Cristas cortou pensões e liberalizou os eucaliptos.

"Os portugueses não esquecem", disse hoje Catarina Martins em resposta às declarações da presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, que durante o congresso centrista realizado no último fim de semana, considerou possível transformar o partido na "grande alternativa à esquerda".

Para Catarina Martins "não deixa de ser irónico que [Cristas] venha agora falar das suas responsabilidades para com o território", quando, enquanto ministra do Governo PSD/CDS "cortou pensões aos reformados, fechou serviços públicos e fez a lei que liberalizou os eucaliptos".

"Limpar os terrenos é uma obrigação solidária de toda a população, das autarquias e do Estado central", lembrou a líder do Bloco, escusando-se a "discutir o prazo"

Em Alcobaça, onde hoje participou numa sessão sobre o "O papel da mulher na política", na Escola Secundária D. Inês de Castro, Catarina Martins, falou ainda aos jornalistas sobre o protelamento do prazo para a limpeza dos terrenos agrícolas.

"Limpar os terrenos é uma obrigação solidária de toda a população, das autarquias e do Estado central", lembrou a líder do Bloco, escusando-se a "discutir o prazo".

Contudo, alertou que "se não for feito até ao verão já não vale a pena".

A decisão sobre o alargamento do prazo é "da competência do Governo", mas, independentemente da data, defendeu Catarina Martins, o que tem que haver é "uma decisão mesmo" para que este ano seja "diferente".

Os proprietários dos terrenos agrícolas têm até 15 de março para limpar as matas, mas autarquias e proprietários tem reclamado um alargamento do prazo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.