Casos de fraude alimentar fragilizam imagem da ASAE

O secretário-geral da DECO afirmou hoje que os casos de fraude relacionados com produtos alimentares "fragilizam" a imagem da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e lamentou o "apagamento público" desta entidade na vigência do atual Governo.

Jorge Morgado, que comentava uma possível fraude hoje denunciada pelo Diário de Notícias, disse à Lusa que a regularidade com que estes casos têm acontecido fragiliza a imagem da ASAE e revelam um "certo apagamento público" desta entidade.

"Este apagamento público da ASAE, uma certa redução da sua atividade, tem a ver com a vigência deste Governo. Tanto quanto nos parece, a ASAE está a trabalhar quase exclusivamente nas suas obrigações comunitárias [...] e está a descurar a fiscalização e o controle do dia-a-dia em Portugal", criticou o responsável da associação de defesa dos consumidores DECO.

O Diário de Notícia revelou que um peixe de venda ilegal está a ser vendido como bacalhau em refeições pré-cozinhadas da marca Polegar, vendidas nos hipermercados Jumbo, do grupo Auchan.

Os produtos em causa, que apresentam um rótulo que incentiva o comércio nacional ("Compro o que é nosso") não contêm qualquer vestígio de bacalhau, mas sim peixe-caracol, e o caso já está a ser investigado pela ASAE.

Para Jorge Morgado, está em causa o controle de qualidade da empresa num "caso de falsificação" acerca do qual "é preciso ter a certeza" de que não põe em risco a saúde pública.

"A ASAE tem de fazer as pesquisas adequadas e tem de informar os consumidores relativamente às questões de saúde pública", reforçou.

O responsável adiantou ainda que a DECO foi desafiada para participar na campanha "Compro o que é Nosso", mas não quis aderir por falta de garantias quanto à qualidade e segurança dos produtos.

"É um processo que tem alguma falta de controlo quanto à veracidade das afirmações. Se o porco nasceu na Bélgica, se engordou na Alemanha, se foi abatido na Itália e a sua carne foi transformada em Portugal, isto é um produto português ou não? Quem é que garante essa informação? Onde está a rastreabilidade desses produtos?" questionou.

O dirigente da DECO sublinhou que a associação defende, em primeiro lugar, a segurança e qualidade dos produtos.

"Se comprarmos produtos portugueses em que não há garantia de segurança e a qualidade deixa muito a desejar estamos a prestar um mau serviço à economia nacional", concluiu.

Em declarações anteriores à Lusa, o presidente da ASAE, Francisco Lopes, disse que já está a ser recolhida e analisada informação sobre o caso e sublinhou que a ASAE mantém níveis de operação "suficientes" para garantir a segurança alimentar dos consumidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.