"Caso Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu

Questão foi suscitada pelo líder parlamentar do Partido Popular Europeu (PPE), o alemão Manfred Weber, depois da notícia de buscas no Ministério das Finanças

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel garantiu esta manhã ao DN que o "caso Mário Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu - pode, quando muito, ser conversado amanhã numa conferência de líderes parlamentares.

Em causa está o facto de o ministro das Finanças (e agora presidente do Eurogrupo) ter pedido ao Benfica que o colocassem a ele e a um filho na tribuna de honra do clube da Luz, argumentando com razões de segurança.

Há dias as autoridades judiciais fizeram buscas no ministério das Finanças, estando Centeno aparentemente sob suspeita de recebimento indevido de vantagem.

Paulo Rangel explicou ao DN que ele próprio protestou imediatamente junto de Weber - e o PSD, bem como o CDS, integram o PPE - e a esses protestos juntaram-se socialistas, ecologistas e liberais. "Impertinente e absurda" foi como o eurodeputado classificou ontem a pretensão de Weber, argumentando que, pelo menos por ora, não há nada a discutir (a investigação criminal não tem arguidos e nem se sabe exatamente o que está a ser investigado). "Não há nada para esclarecer", acrescentou hoje ao DN.

O que o eurodeputado ainda não está em condições de garantir é que o assunto nem sequer seja abordado na conferência dos líderes parlamentares do Parlamento Europeu, que costuma decorrer geralmente às quintas-feiras de manhã. As notícias das buscas no Ministério das Finanças chegaram ao influente site europeu de notícias Politico.eu e terá sido isso que levou Manfred Weber a atuar.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.