"Caso Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu

Questão foi suscitada pelo líder parlamentar do Partido Popular Europeu (PPE), o alemão Manfred Weber, depois da notícia de buscas no Ministério das Finanças

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel garantiu esta manhã ao DN que o "caso Mário Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu - pode, quando muito, ser conversado amanhã numa conferência de líderes parlamentares.

Em causa está o facto de o ministro das Finanças (e agora presidente do Eurogrupo) ter pedido ao Benfica que o colocassem a ele e a um filho na tribuna de honra do clube da Luz, argumentando com razões de segurança.

Há dias as autoridades judiciais fizeram buscas no ministério das Finanças, estando Centeno aparentemente sob suspeita de recebimento indevido de vantagem.

Paulo Rangel explicou ao DN que ele próprio protestou imediatamente junto de Weber - e o PSD, bem como o CDS, integram o PPE - e a esses protestos juntaram-se socialistas, ecologistas e liberais. "Impertinente e absurda" foi como o eurodeputado classificou ontem a pretensão de Weber, argumentando que, pelo menos por ora, não há nada a discutir (a investigação criminal não tem arguidos e nem se sabe exatamente o que está a ser investigado). "Não há nada para esclarecer", acrescentou hoje ao DN.

O que o eurodeputado ainda não está em condições de garantir é que o assunto nem sequer seja abordado na conferência dos líderes parlamentares do Parlamento Europeu, que costuma decorrer geralmente às quintas-feiras de manhã. As notícias das buscas no Ministério das Finanças chegaram ao influente site europeu de notícias Politico.eu e terá sido isso que levou Manfred Weber a atuar.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.