600 empresários num encontro que quer ser "o novo Davos"

Sob o tema 'Inspirando o futuro', o evento realiza-se em maio e vai reunir personalidades de 90 países para debaterem ideias sobre um "futuro mais sustentável e equilibrado"

O Horasis Global Meeting, encontro que junta empresários, governantes e especialistas, decorre pela terceira vez em Cascais em maio, pretendendo ser "o novo Davos" ao reunir 600 personalidades mundiais para discutir ideias sobre um futuro sustentável, segundo a organização.

"Decidimos realizar o Horasis Global Meeting em Cascais, de forma permanente, para ali criar um 'novo Davos' [como é conhecido o Fórum Económico Mundial que decorre nesta cidade da Suíça], em que os participantes chegam todos os anos a um local conhecido", explicou à agência Lusa o líder desta organização internacional, Frank-Jurgen Richter.

Segundo o responsável, "Portugal é o país ideal para sediar o encontro", uma vez que "é o berço de tecnologia emergente da Europa [...] e o novo centro mundial de diálogo global devido à sua excelente posição geográfica entre o Oriente e o Ocidente".

A escolha de Cascais também não foi aleatória e, segundo Frank-Jurgen Richter, deve-se ao facto de este concelho "reunir todos os ingredientes para atrair os empresários experientes, em particular investidores, e os principais governantes e decisores políticos pelas suas excelentes infraestruturas".

Pela terceira vez consecutiva, o Horasis Global Meeting decorre em Cascais entre 5 e 8 de maio, visando discutir o papel da tecnologia no futuro.

Entre as presenças já confirmadas estão o primeiro-ministro português, António Costa, e outros membros do executivo, bem como "os líderes mundiais mais promissores", como Peter Mutharika (do Malaui), Armen Sarkissian (da Arménia), Hassan bin Talal (príncipe da Jordânia), Ulisses Correia e Silva (primeiro-ministro de Cabo Verde) e Mohamed ElBaradei (vice-Presidente do Egito e Nobel da Paz de 2005

Sob o tema 'Inspirando o futuro', o encontro vai levar 600 personalidades de 90 países a debater "novas ideias para tornar o futuro mais sustentável e equilibrado", dando "um enfoque especial a como a tecnologia pode ajudar a moldar" a sociedade a longo prazo, apontou Frank-Jurgen Richter.

Entre as presenças já confirmadas estão o primeiro-ministro português, António Costa, e outros membros do executivo, bem como "os líderes mundiais mais promissores", como Peter Mutharika (do Malaui), Armen Sarkissian (da Arménia), Hassan bin Talal (príncipe da Jordânia), Ulisses Correia e Silva (primeiro-ministro de Cabo Verde) e Mohamed ElBaradei (vice-Presidente do Egito e Nobel da Paz de 2005), elencou o presidente da Horasis.

Neste grupo, Frank-Jurgen Richter incluiu também o comissário europeu português Carlos Moedas.

O Horasis Global Meeting vai abordar assuntos como o desenvolvimento sustentável, as migrações, a tecnologia 'blockchain' (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada), a inteligência artificial e o emprego jovem

Do lado dos empresários, o responsável destacou os nomes de Durão Barroso (atual presidente do banco Goldman Sachs International e ex-presidente da Comissão Europeia) e de Pedro Duarte Neves (presidente do Comité para a Proteção dos Consumidores e Inovação Financeira da Autoridade Bancária Europeia), entre outros.

Num total de 60 sessões - entre palestras e espaços de diálogo -, o Horasis Global Meeting vai abordar assuntos como o desenvolvimento sustentável, as migrações, a tecnologia 'blockchain' (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada), a inteligência artificial e o emprego jovem.

Vincando que "agora é tempo de devolver a confiança às instituições", Frank-Jurgen Richter indicou que, no encontro, será também discutido como é que os líderes mundiais vão responder ao crescimento das divisões políticas, económicas, sociais e tecnológicas.

"Sentimos que, desde a edição do ano passado, o mundo parece estar a dividir-se: o populismo está a tomar conta de várias partes do globo, levando ao protecionismo e reduzindo os acordos mundiais", notou o presidente da Horasis, falando em "ameaças geopolíticas", como os confrontos na península coreana, na Síria e Médio Oriente e na Ucrânia.

Assim, o Horasis Global Meeting servirá para "juntar decisores de todo o mundo num novo trabalho de cooperação", adiantou Frank-Jurgen Richter à Lusa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.