600 empresários num encontro que quer ser "o novo Davos"

Sob o tema 'Inspirando o futuro', o evento realiza-se em maio e vai reunir personalidades de 90 países para debaterem ideias sobre um "futuro mais sustentável e equilibrado"

O Horasis Global Meeting, encontro que junta empresários, governantes e especialistas, decorre pela terceira vez em Cascais em maio, pretendendo ser "o novo Davos" ao reunir 600 personalidades mundiais para discutir ideias sobre um futuro sustentável, segundo a organização.

"Decidimos realizar o Horasis Global Meeting em Cascais, de forma permanente, para ali criar um 'novo Davos' [como é conhecido o Fórum Económico Mundial que decorre nesta cidade da Suíça], em que os participantes chegam todos os anos a um local conhecido", explicou à agência Lusa o líder desta organização internacional, Frank-Jurgen Richter.

Segundo o responsável, "Portugal é o país ideal para sediar o encontro", uma vez que "é o berço de tecnologia emergente da Europa [...] e o novo centro mundial de diálogo global devido à sua excelente posição geográfica entre o Oriente e o Ocidente".

A escolha de Cascais também não foi aleatória e, segundo Frank-Jurgen Richter, deve-se ao facto de este concelho "reunir todos os ingredientes para atrair os empresários experientes, em particular investidores, e os principais governantes e decisores políticos pelas suas excelentes infraestruturas".

Pela terceira vez consecutiva, o Horasis Global Meeting decorre em Cascais entre 5 e 8 de maio, visando discutir o papel da tecnologia no futuro.

Entre as presenças já confirmadas estão o primeiro-ministro português, António Costa, e outros membros do executivo, bem como "os líderes mundiais mais promissores", como Peter Mutharika (do Malaui), Armen Sarkissian (da Arménia), Hassan bin Talal (príncipe da Jordânia), Ulisses Correia e Silva (primeiro-ministro de Cabo Verde) e Mohamed ElBaradei (vice-Presidente do Egito e Nobel da Paz de 2005

Sob o tema 'Inspirando o futuro', o encontro vai levar 600 personalidades de 90 países a debater "novas ideias para tornar o futuro mais sustentável e equilibrado", dando "um enfoque especial a como a tecnologia pode ajudar a moldar" a sociedade a longo prazo, apontou Frank-Jurgen Richter.

Entre as presenças já confirmadas estão o primeiro-ministro português, António Costa, e outros membros do executivo, bem como "os líderes mundiais mais promissores", como Peter Mutharika (do Malaui), Armen Sarkissian (da Arménia), Hassan bin Talal (príncipe da Jordânia), Ulisses Correia e Silva (primeiro-ministro de Cabo Verde) e Mohamed ElBaradei (vice-Presidente do Egito e Nobel da Paz de 2005), elencou o presidente da Horasis.

Neste grupo, Frank-Jurgen Richter incluiu também o comissário europeu português Carlos Moedas.

O Horasis Global Meeting vai abordar assuntos como o desenvolvimento sustentável, as migrações, a tecnologia 'blockchain' (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada), a inteligência artificial e o emprego jovem

Do lado dos empresários, o responsável destacou os nomes de Durão Barroso (atual presidente do banco Goldman Sachs International e ex-presidente da Comissão Europeia) e de Pedro Duarte Neves (presidente do Comité para a Proteção dos Consumidores e Inovação Financeira da Autoridade Bancária Europeia), entre outros.

Num total de 60 sessões - entre palestras e espaços de diálogo -, o Horasis Global Meeting vai abordar assuntos como o desenvolvimento sustentável, as migrações, a tecnologia 'blockchain' (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada), a inteligência artificial e o emprego jovem.

Vincando que "agora é tempo de devolver a confiança às instituições", Frank-Jurgen Richter indicou que, no encontro, será também discutido como é que os líderes mundiais vão responder ao crescimento das divisões políticas, económicas, sociais e tecnológicas.

"Sentimos que, desde a edição do ano passado, o mundo parece estar a dividir-se: o populismo está a tomar conta de várias partes do globo, levando ao protecionismo e reduzindo os acordos mundiais", notou o presidente da Horasis, falando em "ameaças geopolíticas", como os confrontos na península coreana, na Síria e Médio Oriente e na Ucrânia.

Assim, o Horasis Global Meeting servirá para "juntar decisores de todo o mundo num novo trabalho de cooperação", adiantou Frank-Jurgen Richter à Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.