Carteiristas: Denúncias à PSP aumentaram 8%

As denúncias dos furtos cometidos por carteiristas aumentaram cerca de oito por cento no primeiro semestre deste ano face a igual período de 2010, sendo a crise económica apontada como um dos motivos, segundo dados da PSP.

Números avançados à agência Lusa pela Polícia de Segurança Pública indicam que nos primeiros seis meses do ano foram denunciados 7740 furtos praticados por carteiristas, mais 590 que em igual período de 2010, quando a Polícia recebeu 7150 queixas.

A PSP refere que "não pode assumir o ligeiro aumento registado no primeiro semestre de 2011 como consequência directa da crise económica, porque ao final do ano a situação poderá inverter-se".

No entanto, sustenta que existem "múltiplos factores que podem influenciar ou não na sua ocorrência, sendo que a crise económica é uma delas, sem dúvida, mas não a única".

A PSP não divulga os números dos carteiristas detidos, adiantando apenas que as detenções "incidem muitas vezes sobre os mesmos cidadãos".

Segundo a Polícia, os carteiristas estão "devidamente identificados", uma vez que são "reincidentes e fazem desta prática o seu modo de vida". Os imperativos legais vigentes, "que esbarram essencialmente no facto deste tipo de crime ter uma moldura penal baixa", e as penas ou medidas de coação a que são sujeitos serem "fracas", origina o regresso a esta actividade, salienta aquela força policial.

Os dados mostram igualmente que no primeiro semestre aumentou igualmente o número de carteiristas identificados pela Polícia. Nos primeiros seis meses deste ano, a PSP identificou 855 cidadãos, contra os 674 no mesmo período de 2010.

A Polícia justifica este aumento com a "maior pro-actividade policial e uma maior eficácia no resultado das investigações".

Os furtos por carteiras acontecem mais em Lisboa, Porto, Setúbal e Faro, sendo a via pública, transportes públicas, cafés e restaurantes os locais preferidos. Apesar de os carteiristas actuarem durante todo o ano, é no verão e em épocas festivas, como o Natal, a sua época de eleição, tendo em conta "a maior movimentação de pessoas e bens".

De acordo com a PSP, os carteiristas são, na sua maioria, homens, de nacionalidade portuguesa, desempregados e têm entre 20 e 24 anos, podendo também estar na faixa etária dos 35 aos 39 anos e 40 aos 44.

A polícia refere que no primeiro semestre deste ano as mulheres representaram 38 por cento dos carteiristas.

Os turistas, designadamente europeus, são os principais alvos deste tipo de crimes, preferindo os carteiristas as mulheres entre os 20 e os 24 anos e os homens entre os 60 e os 64.

É precisamente por muitas das vítimas serem estrangeiras que falha a participação do crime às autoridades. Saída do país, descrédito na recuperação dos materiais ou então a simples perda de tempo na formalização da denúncia são as razões apontadas pela Polícia para a não participação dos furtos das carteiras.

Para combater este crime, a Polícia tem desenvolvido diversas acções nos locais onde os carteiristas mais actuam, tendo criado já há algum tempo a Divisão de Segurança a Transportes Públicos, que tem permitido aumentar o conhecimento policial nesta área e efectuar detenções em flagrante delito.

A PSP adianta também que o Departamento de Investigação Criminal efectua diariamente análises às diversas tipologias criminais, tendo em vista a identificação de fenómenos de furtos que se verifiquem em todo o país com os mesmos autores, para efeitos de partilha de informação a todos os comandos da Polícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.