Carta de Lisboa cria Prémio do Tejo Sustentável

Congresso avalia pontos fracos e pontos fortes do rio Tejo e defende revisão do plano de regularização iniciado nos anos 60 do século passado

O Congresso sobre o rio Tejo, iniciado esta sexta-feira em Lisboa, vai propor a criação de um prémio anual para promover a sua sustentabilidade ambiental, soube o DN.

A proposta consta da chamada Carta de Lisboa, o documento final a aprovar pelos participantes no congresso aberto esta amanhã pelo ministro do Ambiente e que a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, encerra sábado.

Garantir o bom funcionamento dos organismos - tanto nacionais como regionais e locais - responsáveis pela boa gestão dos recursos hídricos e ambientais em matéria de planeamento, monitorização, licenciamento e fiscalização é um dos objetivos dos signatários da Carta de Lisboa, indicaram as fontes.

Outro compromisso do congresso, subordinado ao tema "Mais Tejo, Mais Futuro", passa por apoiar o estabelecimento de novos sistemas orçamentais, afetando meios para a gestão dos recursos hídricos "em moldes análogos aos que se aplicam aos financeiros", precisou uma das fontes.

Identificar sistematicamente os problemas relacionados com o Tejo e as suas causas, examinar e avaliar as estratégias alternativas do desenvolvimento para este rio que nasce em Espanha, verificar se as condições institucionais são adequadas e eficientes para garantir o estabelecimento e implementação de um planeamento e gestão sustentáveis a longo prazo são outros objetivos constantes da Carta de Lisboa.

"Poderão ser necessários esforços para melhorar a capacidade de organização das nossas instituições, nomeadamente no que diz respeito às disposições políticas, aos processos administrativos, aos métodos de trabalho colectivos e interdisciplinares, aos recursos humanos disponíveis e à cooperação entre as diferentes autoridades", defendeu ainda uma das fontes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.