Carlos Miguel, um autarca há mais de 20 anos

Enfrentou três eleições autárquicas, a última das quais em 2013, e prometia levar o atual mandato até ao fim, em 2017, quebrando a tradição dos seus antecessores de deixar a meio o último mandato

O novo secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, de 58 anos, é advogado e autarca há mais 20 anos, os últimos 11 dos quais como presidente da Câmara de Torres Vedras.

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, Carlos Miguel nasceu e reside em Torres Vedras, onde é desde maio de 2004 presidente da câmara. Na década de 1990, foi membro da assembleia municipal.

Em 2003, chegou à câmara para ser vice-presidente do executivo liderado pelo socialista Jacinto Leandro, que, no ano seguinte, renunciou ao mandato, deixando a autarquia nas suas mãos. Jacinto Leandro era presidente de câmara desde 1995, tendo substituído José Augusto de Carvalho, que assumiu na altura o cargo de secretário de Estado do Ordenamento do Território, com a pasta das Autarquias Locais, num Governo de António Guterres.

Nas eleições autárquicas de 2005, Carlos Miguel candidatou-se e ganhou o município pela primeira vez. Enfrentou três eleições autárquicas, a última das quais em 2013, e prometia levar o atual mandato até ao fim, em 2017, quebrando a tradição dos seus antecessores de deixar a meio o último mandato.

Desde 2013 é também presidente da Comunidade Intermunicipal do Oeste e, desde 2014, presidente da Federação Regional do Oeste do Partido Socialista. É ainda vogal da mesa do congresso da Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Com origens na etnia cigana, ficou conhecido por ser o "advogado dos ciganos", ao defender as causas desta minoria. Nesse âmbito, chegou a apoiar a Pastoral dos Ciganos.

Foi ainda conselheiro do Alto Comissariado para as Migrações e é membro suplente do Conselho Económico e Social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.