Carlos César reitera "revolta" com "comportamentos danosos" de políticos

Acrescentou que o PS exprimiu a sua posição de "revolta" e "tristeza" com "muita firmeza e muita clareza"

O líder parlamentar socialista, Carlos César, reiterou hoje que os "comportamentos irregulares, danosos ou criminais comprovados" constituem "motivo de revolta" no PS e questionou se o PSD também se sentiu revoltado com situações similares no passado.

"O que os portugueses querem saber é se um partido como o Partido Socialista se sente ou não revoltado com situações destas e talvez fosse importante saber, perguntar ao PSD, com a lista imensa de pessoas que já tiveram situações similares, se eles por acaso se sentiram nessa altura muito revoltados, ou se, mesmo agora passado todo este tempo, exprimem a sua revolta", afirmou.

Em declarações aos jornalistas no final da reunião da bancada parlamentar socialista, Carlos César recusou que "só agora" o PS tenha demonstrado "vergonha ou revolta por comportamentos irregulares" que envolveram antigos ministros, como é o caso de Manuel Pinho ou do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

"Todas as situações que envolvam comportamentos irregulares, danosos, comportamentos criminais comprovados, sempre que se confirmem, constituem para nós um motivo de revolta. Isso "tanto pode acontecer com um antigo primeiro-ministro como pode acontecer com um antigo presidente de junta", disse.

Carlos César sustentou que o PS exprimiu a sua posição de "revolta" e "tristeza" com "muita firmeza e muita clareza", sugerindo que, no passado, não foi pedida a mesma "veemência" na condenação daquele tipo de comportamentos noutros partidos políticos.

"Eu lembro que, ao longo das últimas décadas, não faltaram situações semelhantes, algumas delas comprovadas, mais graves, de pessoas que inclusivamente cumpriram penas de prisão, que eram altos dirigentes de outros partidos políticos, designadamente do PSD, e eu não me recordo de ter sido pedida essa veemência ou sequer de o PSD ter falado disso", criticou.

Questionado sobre a constituição de uma comissão de inquérito, proposta pelo Bloco de Esquerda, ao "pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade", Carlos César disse esperar que permita "ter uma leitura do problema da formação dos custos da energia".

O líder da bancada do PS, partido que já tinha anunciado que votará a favor da iniciativa, adiantou que houve "conversas sucessivas" com o Bloco de Esquerda a visarem "um entendimento" relativamente ao objeto da comissão de inquérito.

"Foi acertado com o Bloco de Esquerda esse entendimento, designadamente proporcionando, que o trabalho desta comissão nos permita ter uma leitura do problema da formação dos custos da energia, de como foi tratado em particular nesse período, mas em particular desde 2004 até hoje", disse.

O caso do antigo ministro da Economia Manuel Pinho, durante o seu mandato (2005-2009) e as suspeitas de que recebeu pagamentos por parte do grupo Espírito Santo "não é suscetível de poder ser esquecido na comissão de inquérito", disse.

"Se se confirmarem as suspeitas e aquilo que tem sido indiciado, é um caso que temos obrigação de reter na nossa memória e também de providenciar para que de uma ou outra forma essas situações não possam ser repetidas", defendeu Carlos César.

O caso que envolve o ex-ministro da Economia foi noticiado em 19 de abril pelo jornal online Observador, segundo o qual há suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, entre 2006 e 2012, cerca de um milhão de euros.

De acordo com o jornal, os pagamentos terão sido realizados "a uma nova sociedade offshore descoberta por Manuel Pinho, chamada 'Tartaruga Foundation', com sede no Panamá, por parte da Espírito Santo (ES) Enterprises --- também ela uma empresa offshore sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas e que costuma ser designada como o 'saco azul' do Grupo Espírito Santo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.