Carlos César considera "desorientação" Passos criticar governo PSD

Passos Coelho, admitiu hoje que não publicação das estatísticas das transferências entre 2011 e 2014 para paraísos fiscais "tem que ver com uma decisão infeliz e errada"

O presidente do PS, Carlos César, considerou hoje "desorientação", "estranho" e "no mínimo peculiar" que o líder da oposição, Pedro Passos Coelho, tenha vindo "criticar" o seu próprio governo sobre as transferências para 'offshore' (paraísos ficais).

"É uma situação, no mínimo, peculiar, mas que reflete a desorientação de uma oposição que é muito expedita a criticar, mas muito pouco competente a propor e a fazer com que o país tenha um contributo que lhe também cabia dar para a governação e para o bom sucesso da nossa economia", considerou Carlos César, à entrada para a reunião da Comissão Nacional do Partido Socialista, que decorre hoje à tarde no Porto.

O presidente do PSD e ex-primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, admitiu hoje, na Trofa, que "a experiência" que veio a público sobre a não publicação das estatísticas das transferências entre 2011 e 2014 para paraísos fiscais "tem que ver com uma decisão infeliz e errada".

À margem de uma visita que realizou hoje esta manhã à Feira Agrícola da Trofa, distrito do Porto, Pedro Passos Coelho criticou também os "julgamentos precipitados" que "não estão suportados por factos", quando explicava a proposta entregue pelo seu partido na Assembleia da República sobre as transferências para 'offshore'.

Para Carlos César, o país não pode contar com esta oposição.

"Não podemos contar com a oposição tal como a temos. Ainda hoje vimos o líder da oposição numa situação no mínimo peculiar. Já tinha insultado o primeiro-ministro [António Costa], já tinha desconsiderado o presidente da Assembleia da República [Ferro Rodrigues], já tinha criticado o Presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa], e hoje critica o seu próprio governo com observações contundentes em relação ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e ao Ministério das Finanças que ele próprio tutelava como primeiro-ministro", considerou.

A situação é "muito estranha, mas nós já não estranhamos nada da parte do líder da oposição", acrescentou Carlos César, afirmando que Portugal precisava de uma "oposição mais construtiva" e "mais forte".

"Com esta oposição é o país que sai desprestigiado, sobretudo a política e os políticos", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.