Carlos César acusa Passos de reduzir PSD a "partido dos contras"

"Reduzir o PSD a um partido de contestação permanente, a um partido de contras, é muito pouco para a ambição que o PSD devia ter no contexto português", referiu

O presidente do PS, Carlos César, acusou esta segunda-feira Pedro Passos Coelho de ter reduzido o PSD a um "partido dos contras" e saudou o Governo por conjugar, nos Programas de Estabilidade e de Reformas, "responsabilidade social e responsabilidade financeira".

No final de uma reunião de cerca de uma hora com o Presidente da República, Carlos César sublinhou que os documentos aprovados na semana passada provaram que "é possível ter ao mesmo tempo responsabilidade financeira e responsabilidade social", algo que era negado pela direita.

Questionado sobre a posição crítica do PSD em relação aos dois documentos, transmitida um pouco antes pelo líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, em Belém, Carlos César disse desejar que o PSD possa ser "útil a Portugal".

"Reduzir o PSD, como faz o doutor Pedro Passos Coelho, a um partido de contestação permanente, a um partido de contras é muito pouco para a ambição que o PSD devia ter no contexto português", criticou.

O presidente e líder parlamentar socialista salientou que, no ano passado, o PS aprovou cerca de dois terços das propostas que o PSD apresentou no parlamento a propósito do Programa Nacional de Reformas, contrariando afirmações anteriores de Passos Coelho, que tinha dito que "a maioria [parlamentar] chumbou a maioria" dessas propostas.

"A questão é que não vivemos como cataventos, não temos um Programa Nacional de Reformas nove meses antes e um Programa Nacional diferente nove meses depois", sustentou.

Carlos César disse ter transmitido a Marcelo Rebelo de Sousa o "grande empenhamento" do PS em prosseguir o caminho de "romper com a herança negativa" do anterior executivo e garantiu contar para tal com o apoio de BE, PCP e PEV.

"Com a ajuda dos nossos aliados que apoiam o Governo, a aprovação agora junto das instâncias europeias do Programa Nacional de Reformas e do Programa de Estabilidade, a aprovação do Orçamento do Estado para o próximo ano, são documentos e momentos que reafirmam a estabilidade política e social em que vivemos", afirmou.

Apesar de admitir a diferença que existe com os partidos que apoiam a solução governativa em matérias europeias, o presidente do PS sublinhou que essa divergência "nunca deixou de permitir uma grande confluência naquilo que tem sido a política económica e a política social" do Governo.

Para Carlos César, até instâncias nacionais e internacionais que no passado duvidaram do sucesso da política do atual Governo - citando o FMI, a Comissão Europeia, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) ou o Conselho Nacional de Finanças Públicas - mudaram de posição.

"Se toda esta panóplia de instituições tão exigentes e díspares reconhecem a qualidade da nossa governação e dos seus resultados, ficam apenas para trás o PSD e o CDS, é um problema que diz respeito a esses partidos", apontou.

Questionado sobre a viabilidade, no próximo Orçamento, de rever os escalões do IRS, como pretende o BE, Carlos César não respondeu diretamente, mas afirmou que esta é uma matéria já discutida desde o início da atual solução governativa.

"Independentemente de intensidades, da substância que nos pode dividir num ou noutro assunto, há algo que provámos: uma grande consistência e uma grande vontade comum de levar por diante este projeto e termos bons resultados", frisou.

Ressalvando que "as boas sugestões não são um exclusivo de partidos à esquerda", Carlos César voltou a lamentar que o PSD não tenha feito qualquer elogio à ação governativa e raramente reconhece ter-se enganado quanto às suas previsões.

"Anunciou a vinda do diabo e até agora não temos notícias dessas labaredas negativas", disse.

Depois do PSD e do PS, o Presidente da República recebe ainda hoje à tarde o Bloco de Esquerda, e na terça-feira o PCP, o PEV, o PAN e o CDS-PP.

O Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas foram aprovados na quinta-feira em Conselho de Ministros, estando o debate do parlamento agendado para quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.