Carlos Abreu Amorim não está disponível para integrar direção do PSD

Vice-presidente do grupo parlamentar diz que não assumirá cargos com Rui Rio na liderança

O vice-presidente do grupo parlamentar social-democrata Carlos Abreu Amorim está indisponível para fazer parte da direção do partido e diz que não assumirá com Rui Rio qualquer cargo no PSD, "a não ser que ele faça uma viragem estratégica".

Em declarações ao jornal I, Carlos Abreu Amorim diz igualmente que não se revê na estratégia do presidente eleito do PSD, Rui Rio.

"Não estou disponível para fazer parte da direção. Há um certo cansaço da minha parte em relação a esta tarefa de orientação política dos deputados e não me revejo na estratégia de Rui Rio. Não assumirei com o dr. Rui Rio nenhum cargo no partido, a não ser que ele faça uma viragem estratégica", afirmou.

O vice-presidente do grupo parlamentar do PSD diz que quer sair mesmo que Hugo Soares se mantenha no cargo e diz não ter dúvidas de que a continuidade do atual líder parlamentar é a única solução possível para o partido, escreve o jornal I.

"Não é uma questão de mérito, mas nenhum [dos deputados que estão disponíveis] reúne consensos mínimos ou está em posição de conseguir unir o grupo parlamentar. Muito pelo contrário", afirma Carlos Abreu Amorim.

"Alguns desses nomes representam um perigo em relação ao número de brancos e nulos que possam vir a obter. Já imaginou o que será se metade dos deputados não votar no líder do grupo parlamentar que o presidente do partido escolheu?", questiona.

Carlos Abreu Amorim foi deputado pela primeira vez em 2011, quando Passos Coelho chegou a primeiro-ministro e desde essa altura que é vice-presidente do grupo parlamentar. Foi apoiante de Pedro Santana Lopes nas eleições para a presidência do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.