Capoulas Santos considera a agricultura "fundamental" para desenvolver interior

Ministro salienta que "existe um conjunto de atividades tão conexas com a agricultura que se ela desaparece, elas desaparecem com ela"

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, disse hoje que "é fundamental" o país continuar a apostar no setor agrícola, considerando que, sem competitividade nesta área, "não há desenvolvimento" dos territórios do interior.

"Continuo a pensar que não há desenvolvimento do interior, não há desenvolvimento das zonas rurais, se não tivermos uma agricultura competitiva, uma agricultura pujante", afirmou hoje Capoulas Santos na aldeia de Bendada, concelho do Sabugal, distrito da Guarda, na abertura de um debate sobre "Que fazer com o país das aldeias?".

Segundo o ministro, com uma agricultura "pujante" existem as oficinas que reparam as máquinas, as lojas que vendem fatores de produção e os gabinetes que têm que fazer as contabilidades.

"Existe um conjunto de atividades tão conexas com a agricultura que se ela desaparece, elas desaparecem com ela. Por isso, é fundamental continuar a apostar na agricultura", assumiu.

Capoulas Santos referiu na sua intervenção que Portugal deu o exemplo, nas três décadas de integração europeia, em que "os agricultores conseguiram fazer um milagre gigantesco".

"Entrámos há 30 anos na União Europeia numa agricultura em que nós íamos num pequeno carro utilitário, daqueles que se podem conduzir sem carta de condução e fomos competir com os nossos outros parceiros europeus que já andavam de Ferrari", referiu.

Acrescentou que, ao fim de 30 anos, no "pequeno utilitário", os agricultores nacionais não ganharam "ao Ferrari", mas encurtaram "muito" a distância.

"Se nós conseguimos fazer nos últimos 30 anos aquilo que conseguimos, que foi passar de uma agricultura muito atrasada, para uma agricultura que compete com as superpotências mundiais, hoje em muitos aspetos, se conseguimos fazer este trajeto, conseguiremos progressivamente prossegui-lo nos próximos anos", afirmou.

O governante referiu ainda na sua intervenção que "a área da agricultura, das florestas e do desenvolvimento rural, quer dar o máximo contributo que puder dar para combater a desertificação" do país, "estimulando a fixação de jovens, de jovens qualificados, de jovens empreendedores, ajudando a combater o êxodo, garantindo alguns rendimentos suplementares aos agricultores" e criando empregos na floresta.

Capoulas Santos anunciou ainda que o Governo está a preparar criação de um banco de terras com o património do Estado, para arrendamento, "dando prioridade a jovens agricultores", admitindo a posterior venda.

Disse que será mantida a bolsa de terras do anterior Governo, que disponibiliza terras de privados.

"A intenção é manter essa bolsa de terras, mas só para o património privado, porque o do Estado vai passar para o novo banco de terras", explicou.

Na abertura do debate organizado pela Câmara Municipal do Sabugal, o autarca António Robalo, disse que o município está disponível para criar no território um fórum permanente das aldeias "com a especialização para criar redes colaborativas de aldeias".