Capoulas promete "continuar a pressionar" Bruxelas

Ministro da Agricultura português quer antecipar a adoção de medidas europeias para apoiar produtores de leite e suinicultores.

Capoulas Santos garantiu esta segunda-feira, no Luxemburgo, que vai "continuar a pressionar" e a "insistir" com a Comissão Europeia em busca de apoios europeus para os setores do leite e suinicultura e numa rápida implementação das medidas, já acordadas em março.

Em declarações a jornalistas à margem de uma reunião de ministros da Agricultura da União Europeia que tem como ponto da ordem de trabalhos uma avaliação sobre a situação de mercado, em particular nos setores do leite e suinicultura, Luís Capoulas Santos indicou que, na sua intervenção inicial, o comissário europeu reconheceu "a situação está praticamente inalterada" e que "se mantém atual a necessidade de adotar medidas no plano europeu".

Já o ministro português relembrou que tem "vindo a insistir para que as medidas decididas em março sejam rapidamente regulamentadas pela Comissão, porque senão não só não se tomam medidas, como, ainda por cima, os Estados-membros ficam impedidos de as tomar".

"Vou continuar a pressionar a Comissão no sentido de que se deve antecipar para antes de junho a adoção de medidas europeias para equilibrar o mercado", assegurou Capoulas, admitindo, no entanto, não ter "grandes expectativas" na antecipação destas medidas.

Capoulas Santos promete, no entanto, "insistir" e pressionar a Comissão para, pelo menos menos, permitir a imediata implementação das decisões de 14 de março, que basicamente autoriza os Estados-membros a apoiar os agricultores com os seus próprios meios, algo que, assinalou, Portugal é dos poucos países que está a fazer.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...