Cândido Ferreira abandona debate em direto. "Retiro-me com mágoa"

Candidato presidencial critica modelo de debates e deixa estúdios da TVI. Marcelo diz que não quer "crise política sobre crise polítca"

O candidato presidencial Cândido Ferreira começou esta sexta-feira o debate com outros candidatos (Jorge Sequeira, Marcelo Rebelo de Sousa e Vitorino Silva, conhecido por Tino de Rans), a ler uma declaração em que criticou o modelo dos debates, com nomes "de primeira" e de "segunda". "Retiro-me serenamente, mas com mágoa, deste programa", disse. E deixou os estúdios da TVI em direto.

"Não me resignarei perante tão profunda e injusta discriminação", afirmou antes o candidato, que considerou que esse mesmo tratamento diferenciado "ficará para sempre a envergonhar esta eleição e a reduzir a democracia em Portugal".

Segundo a nota lida no início do programa, Cândido Ferreira (que é militante socialista) manifestou a sua "discordância com a divisão dos candidatos em três grupos", "um primeiro" em que se incluem Marcelo Rebelo de Sousa, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém; um segundo grupo com Paulo Morais, Henrique Neto, Marisa Matias e Edgar Silva; e por fim um terceiro com o próprio Cândido Ferreira, Jorge Sequeira e Vitorino Silva, "impedindo que todos debatam com todos".

Para Cândido Ferreira, "este combate é muito desigual", mas "como português, democrata e republicano", quis "deixar bem expresso" que não se resignará "perante tão profunda e injusta discriminação, cujo tempo será no mínimo de 1 para 10". "Uma injusta discriminação que ficará para sempre a envergonhar esta eleição e a reduzir a democracia em Portugal", criticou.

"Nunca poderá ser bom Presidente quem faz de conta que nada disto é com ele", disse ainda o socialista. Para logo anunciar o abandono do estúdio. "Posto isto, retiro-me serenamente, mas com mágoa, deste programa, onde deveria dar a conhecer aos portugueses as minhas propostas para Portugal."

Marcelo diz estar disponível para debater

Após a saída de Cândido Ferreira, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou concordar com a atitude do candidato e manifestou, mais uma vez, disponibilidade para debater individualmente com os candidatos - recusando a ideia de que haja candidatos de "primeira, segunda ou terceira".

Jorge Sequeira e Tino de Rans também demonstraram compreender a atitude de Cândido Ferreira, com o segundo a dizer inclusivamente que "o quadradinho [dos boletins de voto] é igual" para todos os candidatos à sucessão de Cavaco.

Quanto à discussão sobre o sufrágio de dia 24, essa, ficou marcada por uma consenso de que os partidos não detêm o exclusivo da democracia. Marcelo, por exemplo, ilustrou a ideia com a premissa da sua candidadura de que não aceita financiamentos partidários. "Se o partido dá, pode vir ou não a ter a tentação de cobrar", observou o candidato que tem o apoio do PSD e do CDS.

Já Tino de Rans, que se afastou do PS - já depois de ter sido presidente da junta de freguesia que lhe deu o "nome" -, notou que a cisão se deveu a não se rever no partido. Nem no atual secretário-geral, António Costa.

Para o candidato, cético em relação aos entendimentos assinados entre socialistas, bloquistas e comunistas, só ouvindo o povo o sucessor de Cavaco pode dissolver o Parlamento. Pelo menos, explicou, agiria dessa forma. Embora não o pretendesse fazer. "Eu deixava o António Costa brilhar", atirou.

Marcelo voltou a sinalizar que não fará uso da bomba atómica e frisou que o país, ainda a sarar as feridas da crise, "não tolera, não comporta crises políticas sobre crises políticas".

Tino elegeu Marcelo como o seu principal adversário. "Na segunda volta vamos estar frente a frente", vaticinou, ao passo que Jorge Sequeira explicou que é contra a "passividade" que se vai bater.

[Notícia atualizada]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.