Candidaturas a 100 novas equipas de sapadores abrem hoje

Comunidades intermunicipais e agrupamentos de municípios vão "disputar" 500 novos sapadores florestais

O governo abre hoje concurso para a constituição de 100 novas equipas de sapadores florestais. Em causa estão 500 novos efetivos que deverão estar operacionais antes do próximo verão. Mas a contratação só avançará mais tarde. Para já, o concurso destina-se à atribuição das vagas, a que poderão concorrer entidades como as comunidades intermunicipais ou agrupamentos de municípios, num processo que deverá estar terminado no final de março. Caberá depois a estas entidades contratar os 500 efetivos que vão preencher os lugares.

De acordo com o secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, a distribuição das equipas pelo território levará em linha de conta, em primeira instância, as zonas de intervenção prioritária em matéria de prevenção da floresta contra incêndios - ou seja, consideradas como zonas de maior perigosidade (ver mapa ao lado)."Vamos também priorizar aquilo que são as zonas de maior valor patrimonial, quer cultural, quer natural", diz Miguel Freitas, dando como exemplo as serras do Buçaco e de Sintra. Um terceiro eixo de intervenção prioritária serão as zonas protegidas.

De acordo com o secretário de Estado, boa parte destas novas equipas vão ser integradas em brigadas - constituídas por três equipas de cinco sapadores, coordenados por um técnico superior florestal. Com três missões primordiais. A mais imediata passa por intervir "naquilo que são as grandes redes de defesa da floresta contra incêndios, naquelas autoestradas de 125 metros que é preciso bater para defender a floresta" - o governo anunciou uma dotação de 15 milhões de euros para criação de novas faixas e manutenção das existentes. Os sapadores terão também intervenção no combate indireto aos incêndios e, na fase de rescaldo, para fazer a estabilização de emergência. O secretário de Estado garante que as associações de baldios e as zonas de intervenção florestal também podem avançar com candidaturas aos novos sapadores.

Hoje avança também outra das medidas que saiu do Conselho de Ministros extraordinário de 22 de outubro, que definiu uma nova arquitetura para a prevenção e combate aos incêndios, com a abertura do concurso para a criação dos gabinetes técnicos florestais intermunicipais. "O objetivo é fazermos planeamento ao nível intermunicipal", refere Miguel Freitas ao DN, sublinhando que "é essencial passar da escala do município para a escala intermunicipal, porque essa é aquela que melhor serve a escala florestal". "A floresta não tem fronteiras nos municípios", acrescenta o responsável do governo, especificando que "o que estes gabinetes vão fazer é definir aquilo que são as zonas homogéneas do ponto de vista florestal e fazer o planeamento das intervenções nessas unidades". Por outro lado, afirma, "estamos a terminar o processo de elaboração dos Planos Regionais de Ordenamento Florestal (PROF), que até meados do ano estarão concluídos. A seguir teremos que fazer a transposição para os planos diretores municipais. Estes gabinetes terão também como missão encontrar mecanismos para que essa transposição seja feita na lógica das manchas homogéneas, isto é, na lógica intermunicipal".

Os dois concursos abrem no mesmo dia em que Miguel Freitas está pela primeira vez no parlamento como secretário de Estado das Florestas (tomou posse em julho último), a requerimento do BE, para explicar o que foi feito para tornar a floresta mais resiliente aos incêndios. O secretário de Estado diz que as prioridades passaram pela estabilização de emergência dos solos. Uma "segunda preocupação" passa pela criação de parques para armazenar a madeira queimada. "Temos que garantir que haverá armazenamento. Este ano o mercado está saturado, mas se não houver armazenamento nos próximos anos vamos agravar a balança comercial em matéria de importação", refere, acrescentando que o objetivo passa por "armazenar, para os próximos dois anos, 2,5 milhões de toneladas de madeira", para o que o governo promete "mais de 20 parques".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.