Cancro é a doença que mais preocupa os portugueses. Porquê?

Os principais motivos, dizem os portugueses num estudo de opinião apresentado hoje no âmbito do Think Tank Inovar a Saúde, são que o cancro não tem cura e tem uma elevada taxa de mortalidade.

Para 63% dos portugueses, o cancro é a doença que mais os preocupa. Em segundo lugar está o ébola (10%) e em terceiro as doenças cardiovasculares (5%). Os motivos para a preocupação são sobretudo o facto de acharam que é uma doença sem cura e que tem uma elevada taxa de mortalidade.

Entre os vários tipos de cancro, são o tumor maligno da mama e o do pulmão que mais preocupam os portugueses. Os resultados da perceção dos portugueses sobre o cancro foram conseguidos através de um estudo de opinião, representativo da população portuguesa, realizado pela consultora GFK através de entrevistas presenciais a 1192 pessoas acima dos 18 anos, entre os dias 10 e 21 de outubro.

Os portugueses sentem que estão medianamente informados sobre a doença. Quando questionados sobre que informação gostariam de receber, quase um terço não sabe que informação gostaria de receber. Já 18% gostaria de saber mais sobre prevenção e 14% sobre sintomas.

Sobre a qualidade do serviço prestado no tratamento do cancro, comparando serviço público e privado, a maior parte (37%) considera que é igual. Para os que encontram diferenças, o serviço público é visto como melhor nos cuidados de saúde e o privado no atendimento.

No que diz respeito ao investimento do Estado, a grande maioria acha que é insuficiente para a saúde (tem a mesma opinião em relação a outras áreas como a educação) e sente que o investimento é menor do que há três anos.

Embora sintam que são as doenças oncológicas as que recebem mais dinheiro, sentem que é preciso mais investimento. Consideram como prioritário haver mais investimento para assegurar a rapidez e o acesso a hospitais com capacidade de diagnosticar e tratar todos os doentes, apoio à investigação e desenvolvimento de novos medicamentos e para disponibilizar os melhores tratamentos. Consideram ainda que os tratamentos mais avançados são demasiado caros para o nosso país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.