Campo de férias ensina 40 crianças a combater obesidade

Atividades radicais, workshops sobre alimentação e muita diversão compõem a 'ementa' do Campo Aventura, no concelho de Óbidos, para ensinar hábitos de vida saudáveis a 40 crianças com problemas de excesso de peso.

"Estou muito curioso para saber o que nos vão ensinar, mas ainda mais para participar nas atividades", afirma Eduardo, de 13 anos, uma das crianças escolhidas para participar no campo de férias 'Crescer saudável'.

Acompanhado no Hospital D. Estefânia, em Lisboa, Eduardo não consegue quantificar os quilos que já perdeu no programa, mas aponta os conhecimentos que pretende aprofundar durante o campo de férias: "Acho que vou sair daqui a saber comer melhor, menos gorduras e mais verduras, menos pudim e mais salada de frutas".

O mesmo esperam Mariana e António, dois irmãos que deixaram Lisboa por uma aventura em que esperam encontrar "estímulo para fazer mais exercício e tentar reduzir peso".

Com os três, mais 37 crianças - umas seguidas no hospital, outras na Obra Social da Igreja da Boa Nova, na paróquia do Estoril (Cascais) - serão sensibilizadas para hábitos de vida que lhes permitam deixar de fazer parte de uma estatística preocupante.

"Em Portugal metade da população adulta tem excesso de peso e somos vice-campeões da Europa, com 30% das crianças obesas ou pré-obesas", afirma o endocrinologista João Jácome de Castro, coordenador clínico do campo e secretário-geral da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo.

O responsável soma "a consciência de que o excesso de peso é um dos fatores determinantes da prevalência crescente da diabetes, um fator de risco para a hipertensão e para o colesterol alto na idade adulta, e que condiciona o aumento da mortalidade do ponto de vista de doenças cardiovasculares", como argumento para investir na mudança de comportamentos dos mais novos.

"As crianças que começam com excesso de peso agora, se chegarem com excesso de peso aos 40 anos, têm menos sete anos de vida que os seus pares que não sofrem deste problema", explica, alertando para a importância de "intervir nestas idades em que os hábitos de vida estão muito menos instituídos".

No Campo Aventura, as ementas e atividades foram ajustadas à "realidade destas crianças", que durante uma semana ficam entregues ao monitor Herculano David.

A sobremesa da noite, por sugestão da nutricionista Maria Santana Lopes, é obrigatoriamente fruta "e de preferência biológica", explica o monitor, que estabeleceu para estas crianças um programa de atividades ajustado às suas características físicas.

"Antes do pequeno-almoço fazemos uns jogos, para ativar a circulação, e depois irão ter desafios individuais e em equipa, com o cuidado de, por exemplo, numa gincana, aumentarmos os tempos em relação às crianças em boa forma física, porque queremos que eles percebam que conseguem fazer o mesmo que os outros, mas ao seu ritmo", descreveu.

Escalada, slide, matraquilhos humanos ou batismo de surf são algumas das atividades previstas. Herculano David pretende que o grupo "conviva, se integre com os outros grupos e se divirta, que é o fundamental".

Em paralelo, um workshop sobre cozinha saudável, com o chef Henrique Sá Pessoa e outro sobre desporto, com o atleta Nelson Évora, marcam a componente educativa do campo de férias promovido no âmbito do programa Samsung Hope for Youth, com o objetivo de "deixar uma marca positiva" na vida destas crianças.

"Não pretendemos resolver numa semana o problema de peso das crianças, mas educá-las e dar-lhes ferramentas para percebam têm um problema que as pode afetar no seu futuro e quererem elas próprias resolvê-lo", sublinha Pedro Gândara, responsável de marketing da empresa Samsung, que equaciona alargar a iniciativa a mais crianças, já no próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.