Camões deixado para trás nas obras da parque escolar

Escola Secundária de Camões é edifício de interesse público. Precisa de recuperação urgente desde as salas à rede elétrica.

A Escola Secundária de Camões foi inaugurada a 16 de outubro de 1909. Um edifício Ventura Terra em forma de E em que todas as salas dão para dois pátios interiores ou para um varandim superior que não esconde o peso da idade. Ao fundo duas casas que acolhem os gabinetes de química e de física. Por trás, o que já foi um campo desportivo agora coberto de ervas por estar há 10 anos fechado a cadeado por haver risco de ruir.

Quais são as zonas mais degradadas? "É tudo", diz a vice-diretora Adelina Precatado, que afirma que a escola só não está pior graças aos "pensos-rápidos" que o orçamento privado tem permitido dar pequenas pinturas ou remendos. Pouco para o que precisa. "Na quinta-feira caiu uma parte do algeroz. Felizmente não atingiu ninguém." A degradação é evidente: corredores e salas com humidade, tetos de cortiça descascados, buracos no teto de madeira do ginásio, fendas nas paredes, azulejos caídos. "Não é só mudar portas e janelas, é preciso obras na canalização e na rede elétrica. A estrutura da escola está em risco de derrocada se houver um sismo", diz Gabriela Fragoso, presidente do conselho geral, referindo-se aos relatórios do Laboratório Nacional de Engenharia Civil e da Câmara de Lisboa.

Entre ensino diurno e noturno são cerca de 1900 alunos, a partir dos 14 anos. O Camões foi relegado para a terceira fase de obras da Parque Escolar. E a recuperação que deveria ter sido feita em 2011 nunca arrancou. "Nunca percebemos os critérios de prioridade. A justificação do ministério na altura foi a falta de recursos financeiros. Ainda propusemos que apresentassem alternativas mais baratas. Queríamos é que fosse garantida a segurança dos alunos, dos profissionais e dos bens", diz Gabriela Fragoso. Nessa altura o projeto previa obras no valor de 17,5 milhões de euros. A direção já reuniu com o ministério que garantiu que as obras iriam avançar, num projeto reformulado que não deve ir além dos 12 milhões de euros. "O estudo das estruturas deve começar no fim da semana. Serão 3 meses. Depois mais 6 para refazer o projeto e a seguir será lançado o concurso internacional. Temos esperança que as obras comecem no final de 2017", afirma Adelina Precatado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.