Camionistas dão quatro dias ao governo para acordo

Secretário de Estado das Instraestrturas e associação dos camionistas estiveram reunidos esta amanhã. Associação deixou reivindicações

O clima é de abertura entre governo e camionistas, que esta manhã estiveram reunidos, mas ainda não há acordo final. Apenas um princípio de acordo, com a ANTRAM (Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias) a dar quatro dias ao secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins, para responder às suas propostas.

No fim desse prazo, "e caso não obtenha qualquer resposta, a Associação estará totalmente solidária com as ações que as empresas de transporte decidirem definir", refere em comunicado.

Na reunião também esteve a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) que admitiu haver "abertura" por parte do governo para discutir algumas das propostas apresentadas pelo setor, mas o protesto para já mantém-se.

Os camionistas mantêm a paralisação iniciada às 08:00 para reclamar a regulamentação do setor e a indexação do preço dos transportes ao dos combustíveis.

No final de uma reunião no Ministério do Planeamento e Infraestruturas, que tem a tutela dos Transportes, Márcio Lopes da ANTP disse aos jornalistas que o governo se comprometeu a criar um grupo de trabalho para discutir as propostas para o setor.

"Isto não vai acontecer nem hoje nem amanhã nem em dias, algumas situações podem demorar meses", disse o responsável, referindo que os promotores da paralisação irão agora reunir-se para decidir se a ação iniciada hoje se mantém ou se será suspendida após as garantias dadas pela tutela.

O primeiro encontro com o governo, no domingo à noite, tinha sido inconclusivo e manteve a paralisação.

A paralisação pretende reclamar a regulamentação do setor, a criação de uma Secretaria de Estado dedicada exclusivamente aos Transportes, a obrigatoriedade de pagamento no período máximo de 30 dias e a criação de um mecanismo para que a inflação também seja refletida no setor dos transportes.

De acordo com Márcio Lopes, o caderno de reivindicações inclui ainda que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, refletido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.

"A iniciativa não partiu da associação, mas é a associação que está a dar voz ao desagrado dos camionistas e dos empresários, muitos associados da ANTP", explicou o dirigente associativo, adiantando que a ação de protesto deverá decorrer nas estradas "de norte a sul do país, e nas zonas de fronteira".

A ANTP representa as pequenas e médias empresas do setor e foi formada depois do bloqueio de 2008.

De acordo com a ANTP, o setor tem 7.500 empresas e mais de 300 mil trabalhadores, representando esta associação cerca de 400 associados, segundo o presidente da direção.

Contactada pela Lusa, fonte da GNR disse que até ao momento não há informações de condicionamento de trânsito.

A Lusa tentou ouvir o ministério da ​​​​​​​tutela, mas tal não foi possível até ao momento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.