Câmara investe 110 mil euros em alunos carenciados

A Câmara Municipal de Vila do Bispo anunciou hoje a atribuição de 35 bolsas de estudo aos alunos dos ensinos profissional e superior do concelho, no valor global de 105 mil euros, no ano letivo corrente.

"O objetivo é apoiar os alunos carenciados e com aproveitamento escolar que, por falta de recursos financeiros, estariam impossibilitados de prosseguir o ensino", disse Adelino Soares, presidente da Câmara de Vila do Bispo.

"Os agregados familiares estão a viver, cada vez mais, com dificuldades económicas, o que constitui um obstáculo ao prosseguimento dos estudos dos jovens", sublinhou o autarca.

Para Adelino Soares esta ajuda anual contribui para um maior e mais equilibrado desenvolvimento social, económico e cultural. "Tem sido feito um esforço para reforçar as ajudas em todos os aspetos sociais, no sentido de minimizar a sobrecarga financeira das famílias do concelho".

As bolsas de estudo são atribuídas alunos residentes no concelho que não dispõem de meios suficientes para suportarem os encargos com a frequência do ensino superior. O valor atribuído a cada estudante durante os meses de frequência escolar situa-se entre os 485 euros e os 4.850 euros, variando consoante o rendimento do agregado familiar.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.