Lisboa pondera juntar Carris e EMEL mas este é o momento "mais desapropriado"

Proposta foi avançada pelo Bloco de Esquerda mas rejeitada na Assembleia Municipal. Vereador das Finanças admitiu que esta é uma ideia que está a ser "equacionada"

A Câmara Municipal de Lisboa admitiu hoje que a fusão entre as empresas municipais Carris e EMEL "está a ser equacionada", mas apontou que este seria "o momento mais desapropriado" para o fazer.

O assunto esteve hoje em cima da mesa na Assembleia Municipal de Lisboa, através de uma recomendação apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE) no sentido de propor "a reorganização do setor empresarial local do município de Lisboa na área da mobilidade, promovendo, designadamente, a fusão da Carris com a EMEL [Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa]".

O BE foi a única força política a votar favoravelmente este documento, que foi rejeitado por PEV, PCP, deputados independentes (eleitos nas listas socialistas), PS e PSD, e contou com a abstenção de CDS-PP, PPM, PAN e MPT.

Intervindo na reunião plenária, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, afirmou que "esta questão é uma questão que está a ser equacionada", mas este "seria o momento mais desapropriado do ponto de vista da gestão organizacional".

Para o vereador, que partilha a gestão das empresas municipais com o vereador da área, "seria completamente desajustado" uma "fusão entre empresas" num momento de recuperação de uma empresa "que estava em fase de ser aniquilada".

"Deixemos estabilizar, vamos discutir de facto qual é a melhor estratégia - se juntarmos, se é criarmos uma 'holding', há várias soluções possíveis", observou o autarca, que considerou ser "completamente extemporâneo discutir isto no meio deste momento, em que de facto está a ser exigido das empresas um esforço enorme".

Também o vereador que tutela a Mobilidade, Miguel Gaspar, sublinhou que esta medida seria "desproporcionada".

"Na verdade, somos todos um, somos todos Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, empresas da cidade de Lisboa que estão devidamente articuladas", acrescentou.

Para o deputado António Prôa, do PSD, este é um "assunto que merece outra atenção e outra responsabilidade que não uma mera recomendação".

Para o social-democrata, "olhar para isto é esquecer o que de facto é preocupante", nomeadamente a "articulação da Carris com o metro", que "não foi possível, até agora, concretizar".

Em resposta às críticas, o deputado bloquista Rui Costa advogou que "não há necessidade de haver duas empresas para gerir a mobilidade em Lisboa" e que a mobilidade "devia ser gerida de uma forma integrada".

"É tempo de racionalizar e integrar políticas e a gestão da mobilidade da cidade", acrescentou o autarca.

A recomendação em questão apontava que "a coexistência autónoma da Carris e da EMEL não encontra, hoje, justificação política ou económica".

"As receitas do estacionamento público de Lisboa seriam um bom modelo de financiamento da Carris, poupando o município e a sua receita fiscal a tal encargo, associando-se ainda uma ligação estreita entre as externalidades negativas do trânsito e da associação do transporte individual a uma melhoria e investimento no serviço público de transporte de passageiros", apontava o documento.

O BE justificava ainda que a "atividade desenvolvida pela EMEL, se associada ao financiamento e à melhoria das condições de funcionamento da rede operada pela Carris, permitiria uma melhor perceção da sua atividade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)