Câmara espera arrecadar 11 milhões de euros com taxa turística

A taxa turística começou a ser aplicada sobre as dormidas de turistas nacionais e estrangeiros nas unidades hoteleiras em janeiro deste ano

A Câmara de Lisboa informou esta quinta-feira que espera arrecadar este ano 11 milhões de euros, com a Taxa Municipal Turística sobre as dormidas na cidade, adiantando que, até agosto, a receita angariada foi de cerca de oito milhões de euros.

Os dados foram divulgados pelo vereador das Finanças da autarquia, João Paulo Saraiva, num encontro na tarde desta quinta-feira com jornalistas, nos Paços do Concelho, após a reunião privada em que se aprovou o orçamento municipal para 2017.

Aprovada em 2014, a Taxa Municipal Turística começou a ser aplicada em janeiro passado sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

Segundo dados enviados à agência Lusa, a cobrança entre janeiro e julho rendeu à Câmara Municipal sete milhões de euros, valor que se equipara à receita prevista para todo o ano.

No orçamento para este ano, a autarquia apontava uma estimativa de receita de 15,7 milhões de euros, sendo metade do valor respeitante às dormidas. O restante deveria ser conseguido na aplicação da taxa nas chegadas por via aérea e marítima, mas ainda não foi anunciado como.

João Paulo Saraiva explicou, esta quinta-feira, que a previsão inicial de receita foi feita "sem histórico", razão pela qual foi feito um ajustamento de cerca de sete milhões para 11 milhões de euros, isto contando só com as dormidas.

Em novembro, "vai haver um 'boom'" na receita, disse o autarca, relacionando-o com o evento de tecnologia que se realiza na cidade de 7 a 10 do próximo mês, o Web Summit.

Para 2017, o município também foi "bastante moderado na previsão de receita", que se continua a fixar nos 15,7 milhões, referiu João Paulo Saraiva.

Quanto à questão das chegadas, o responsável disse que o município está "quase a dar notícias sobre isso".

"Continuo a dizer que a taxa está em vigor, [mas] estamos a perceber a diferença técnica de fazer a aplicação nos modelos convencionais", precisou.

Das reuniões que a autarquia tem tido com o Governo e com os operadores do porto e do aeroporto de Lisboa, ainda não foi possível chegar a um "ponto comunicável", admitiu o autarca, referindo ter "esperança que seja até ao final do ano".

De acordo com João Paulo Saraiva, "o maior problema é no aeroporto, devido à forma como funciona".

"Há múltiplas companhias" aéreas, assinalou, garantindo que, "certamente, não vai ser adotado um modelo de portagem", porque isso "prejudicaria as pessoas".

Questionado se a taxa de um euro por chegadas à capital vai ser aplicada diretamente nos bilhetes, João Paulo Saraiva respondeu: "Vamos ver".

O orçamento municipal da autarquia para 2017, de 775,1 milhões de euros, contou com os votos contra da oposição (PSD, CDS-PP e PCP) e votos favoráveis da maioria socialista, que inclui os Cidadãos por Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.