Câmara de Lisboa apresenta hoje projeto de arrendamento a "preços controlados"

Objetivo "é criar mais de 5.000 fogos para arrendar a preços acessíveis", garante fonte do município

A Câmara de Lisboa apresenta hoje um programa de arrendamento a "preços controlados" para permitir o regresso de famílias da classe média à cidade, com casas em locais como o Vale de Santo António e Colina de Santana.

De acordo com informação da autarquia, o objetivo "é criar mais de 5.000 fogos para arrendar a preços acessíveis".

Ao mesmo tempo, a intervenção permitirá regenerar os locais para onde se projetam as casas, como é o caso do Vale de Santo António, na freguesia da Penha de França, "uma zona esquecida da cidade", segundo o município.

A apresentação do Programa Renda Acessível, que se realiza nos Paços do Concelho, ocorre no dia em que se assinala um ano desde a tomada de posse do socialista Fernando Medina à frente da Câmara de Lisboa, após a saída de António Costa.

No seu discurso de tomada de posse, Fernando Medina anunciou a criação deste projeto e estabeleceu a habitação social como uma prioridade para o mandato.

"Assumiremos como prioridade, até ao final deste mandato, lançar um vasto programa de habitação a renda acessível, que permita numa primeira fase que 5.000 famílias da classe média possam voltar a morar na cidade por uma renda abaixo do salário mínimo nacional", disse na ocasião.

Entretanto, em outubro passado, o executivo municipal (de maioria PS) aprovou o início da reabilitação urbana na Rua de São Lázaro e na Rua das Barracas, na Colina de Santana, para depois avançar nestes locais com o programa de habitações com renda acessível.

Além destas freguesias - de Arroios e da Penha de França -, o programa deverá estender-se a Benfica (na Avenida Marechal Teixeira Rebelo, próximo do Centro Comercial Colombo) e a Marvila (na Quinta do Marquês de Abrantes e Alfinetes), para onde se preveem, respetivamente, 869 e 621 fogos.

Em causa estão parcerias do município com o setor privado, de acordo com a Câmara de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.