Câmara de Lisboa aciona plano de contingência para sem-abrigo devido ao frio

Irá ocorrer uma acentuada descida das temperaturas a partir da madrugada de terça-feira.

A Câmara de Lisboa informou hoje ter acionado o plano de contingência para os sem-abrigo devido ao tempo frio, com estações de Metro abertas, através das quais estas pessoas serão encaminhadas para o Pavilhão Desportivo do Casal Vistoso.

Em causa estão as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que apontam para uma acentuada descida das temperaturas a partir da madrugada de terça-feira.

Assim, existirão cinco pontos de concentração com equipas de rua que encaminharão os sem-abrigo para o Pavilhão Desportivo do Casal Vistoso, onde funcionará um Dispositivo Integrado de Apoio aos Sem-Abrigo (DIASA), a partir das 19:00 de hoje, divulgou a Câmara.

No Metro dos Restauradores (porta da estação frente à antiga Loja do Cidadão), do Intendente (porta da Rua Andrade) e do Saldanha (porta junto ao Edifício Monumental), assim como na fachada principal da estação de comboios de Santa Apolónia (átrio principal) e na Gare do Oriente (entrada frente ao centro comercial Vasco da Gama) estarão a Equipa Técnica de Intervenção de Rua da associação Vitae, do Movimento ao Serviço da Vida e da Comunidade Vida e Paz, adianta o município.

Em declarações à agência Lusa a diretora da Unidade de emergência da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Celeste Brissos, explicou que dois técnicos desta entidade (assistentes sociais e psicólogos) vão estar no gimnodesportivo do Casal Vistoso a encaminhar "as pessoas na condição de sem abrigo para centros de acolhimento onde poderão pernoitar".

Ali, haverá também refeições quentes, alimentos e agasalhos.

Através da DIASA, que funcionará durante 24 horas, a Santa Casa vai também fazer um "diagnóstico da situação [de cada pessoa] para a resposta de inserção", percebendo o que a leva a estar nas ruas, de acordo com Celeste Brissos.

Em 2012, a Santa Casa realizou uma ação semelhante e atendeu cerca de 200 pessoas em três dias, adiantou Celeste Brissos.

No comunicado hoje divulgado, a Câmara de Lisboa aconselha a dar "especial atenção aos grupos da população de maior risco", como crianças nos primeiros anos de vida e idosos, doentes crónicos ou acamados e indivíduos com perturbações de memória, problemas de saúde mental, alcoolismo ou demência.

Para os munícipes que estiverem em casa, a autarquia recomenda o cuidado com as lareiras, ter cuidado com queimaduras em aquecimentos e tentar poupar energia, desligando os aparelhos elétricos que não sejam necessários, de forma a evitar o consumo excessivo de eletricidade, que pode sobrecarregar a rede originando focos de incêndio ou falhas de energia.

De acordo a informação disponibilizada no 'site' do IPMA ao final da tarde, todos os 18 distritos portugueses vão estar sob aviso amarelo, o terceiro de uma escala de três, devido a "persistência de valores baixos de temperatura", entre as 13:00 de hoje e as 07:00 de quinta-feira.

Em Lisboa, as temperaturas previstas para hoje variam entre os 04 e 10 graus celsius, descendo para os 02 e 10 graus na terça e quarta-feira, segundo a informação disponibilizada no 'site' do instituto ao final da tarde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.