Câmara da Guarda dá parecer positivo a explorações de lítio

A Câmara Municipal da Guarda deu este ano pareceres positivos a três explorações de minerais, incluindo lítio, na zona sul do concelho, considerando o seu presidente que o município é uma referência a nível nacional.

Em março, a pedido do Ministério da Economia, a autarquia deu pareceres para alargamento da atual concessão C-70 "Gonçalo Sul" (na freguesia de Gonçalo), ao pedido de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de lítio, volfrâmio, estanho, nióbio e tântalo na zona de Vela oeste e entre Seixo Amarelo e Gonçalo, e ao parecer relativo ao pedido de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de quartzo, feldspato e lítio na área da freguesia de Aldeia do Bispo.

Segundo o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, os pareceres para aumentar o número de explorações "dão um certo garante da qualidade" do mineral existente na região.

O responsável adiantou à agência Lusa que, neste momento, o município estabeleceu contactos com algumas das empresas que fazem essa exploração para que seja feito um enquadramento técnico e científico com as universidades.

O município está "muito empenhado" na ligação com o mundo empresarial e académico para poder "projetar ainda mais este potencial que é o lítio".

Disse que é importante associar a ciência e a economia para encontrar formas de transformação da matéria-prima existente, o que, a acontecer, significava a criação de "mais empresas" na região.

Pela existência de lítio na região, Álvaro Amaro considera que o município da Guarda tem "condições e bons argumentos" para acolher um investimento da Tesla (marca norte-americana de baterias e de veículos elétricos) que demonstrou interesse em construir uma nova fábrica na Península Ibérica.

O autarca de Aldeia do Bispo, Paulo Abrantes, reage com satisfação ao interesse na exploração de minerais, incluindo lítio, na área da freguesia, considerando que, a acontecer, será "um valor acrescentado" para a terra e "terá algum retorno para o local onde for explorado".

"Só terá, eventualmente, de ser analisado que consequências é que terá essa exploração em termos ambientais, porque nós também não queremos ter uma exploração a qualquer preço. Caso não haja problemas, somos perfeitamente a favor", disse à Lusa.

Na vizinha freguesia de Vela, onde foi também manifestado interesse na exploração de lítio, a presidente da Junta, Luísa Gonçalves, mostra-se cética com essa possibilidade por explorações anteriores terem constituído "uma má experiência".

"Temos crateras a céu aberto, temos cortinas arbóreas que nunca foram instaladas, temos o problema dos rebentamentos que danificaram várias casas e esses problemas nunca foram resolvidos", explicou.

A autarca disse à Lusa já pediu explicações às entidades competentes sobre as novas explorações, exigindo saber "se vão ser feitas através de crateras a céu aberto" ou "por perfurações".

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) anunciou que vai desenvolver, até novembro de 2018, um projeto de investigação sobre o lítio explorado na área de Gonçalo.

Segundo a responsável pelo projeto, Ana Antão, o estudo visa aprofundar o conhecimento sobre as jazidas de lítio e minérios a ele associados, que ocorrem na formação geológica sedimentar do Vale da Gaia, na freguesia de Gonçalo, Guarda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.