Câmara da Guarda dá parecer positivo a explorações de lítio

A Câmara Municipal da Guarda deu este ano pareceres positivos a três explorações de minerais, incluindo lítio, na zona sul do concelho, considerando o seu presidente que o município é uma referência a nível nacional.

Em março, a pedido do Ministério da Economia, a autarquia deu pareceres para alargamento da atual concessão C-70 "Gonçalo Sul" (na freguesia de Gonçalo), ao pedido de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de lítio, volfrâmio, estanho, nióbio e tântalo na zona de Vela oeste e entre Seixo Amarelo e Gonçalo, e ao parecer relativo ao pedido de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de quartzo, feldspato e lítio na área da freguesia de Aldeia do Bispo.

Segundo o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, os pareceres para aumentar o número de explorações "dão um certo garante da qualidade" do mineral existente na região.

O responsável adiantou à agência Lusa que, neste momento, o município estabeleceu contactos com algumas das empresas que fazem essa exploração para que seja feito um enquadramento técnico e científico com as universidades.

O município está "muito empenhado" na ligação com o mundo empresarial e académico para poder "projetar ainda mais este potencial que é o lítio".

Disse que é importante associar a ciência e a economia para encontrar formas de transformação da matéria-prima existente, o que, a acontecer, significava a criação de "mais empresas" na região.

Pela existência de lítio na região, Álvaro Amaro considera que o município da Guarda tem "condições e bons argumentos" para acolher um investimento da Tesla (marca norte-americana de baterias e de veículos elétricos) que demonstrou interesse em construir uma nova fábrica na Península Ibérica.

O autarca de Aldeia do Bispo, Paulo Abrantes, reage com satisfação ao interesse na exploração de minerais, incluindo lítio, na área da freguesia, considerando que, a acontecer, será "um valor acrescentado" para a terra e "terá algum retorno para o local onde for explorado".

"Só terá, eventualmente, de ser analisado que consequências é que terá essa exploração em termos ambientais, porque nós também não queremos ter uma exploração a qualquer preço. Caso não haja problemas, somos perfeitamente a favor", disse à Lusa.

Na vizinha freguesia de Vela, onde foi também manifestado interesse na exploração de lítio, a presidente da Junta, Luísa Gonçalves, mostra-se cética com essa possibilidade por explorações anteriores terem constituído "uma má experiência".

"Temos crateras a céu aberto, temos cortinas arbóreas que nunca foram instaladas, temos o problema dos rebentamentos que danificaram várias casas e esses problemas nunca foram resolvidos", explicou.

A autarca disse à Lusa já pediu explicações às entidades competentes sobre as novas explorações, exigindo saber "se vão ser feitas através de crateras a céu aberto" ou "por perfurações".

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) anunciou que vai desenvolver, até novembro de 2018, um projeto de investigação sobre o lítio explorado na área de Gonçalo.

Segundo a responsável pelo projeto, Ana Antão, o estudo visa aprofundar o conhecimento sobre as jazidas de lítio e minérios a ele associados, que ocorrem na formação geológica sedimentar do Vale da Gaia, na freguesia de Gonçalo, Guarda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.