Câmara altera projeto para a 2.ª Circular. Custos sobem para 13 milhões de euros

Proposta do vereador Manuel Salgado prevê substituição da espécie de árvores a plantar e alargamento do separador central

A Câmara de Lisboa volta a debater na quarta-feira a requalificação da Segunda Circular, projeto que surge com algumas alterações e "melhorias" após apreciação pública e cujo orçamento passou de 10 para 13 milhões de euros.

De acordo com a proposta assinada pelo vereador das Obras Municipais, Manuel Salgado, entre as principais alterações está a "substituição das espécies arbóreas a plantar no separador central na proximidade do Aeroporto", optando-se antes por freixos, espécie de porte médio que pode atingir os 25 metros. Anteriormente, previa-se que grande parte das árvores fosse da espécie lódão, com folha caduca e copa redonda e que alcança os 30 metros.

Está também em causa o alargamento do separador central (mas para a extensão mínima possível em cada zona), a aplicação de um "sistema de retenção de veículos", a introdução de guardas de segurança para diminuir o "risco de 'galgamento'" e de "colisão com as árvores" e a criação de "zonas de transição com uma extensão desejável" nos acessos da A1 (Autoestrada do Norte) e IC19 (Itinerário Complementar) à Segunda Circular.

Paralelamente, a autarquia quer "melhorar a velocidade comercial dos autocarros", através de vias prioritárias nos ramos do Campo Grande e junto ao Estádio da Luz e do reforço da prioridade destes veículos, e ainda reforçar o número de "passadeiras pedonais desniveladas", explica Manuel Salgado no documento, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

A proposta da maioria PS na Câmara de Lisboa, que visa aumentar a segurança rodoviária, a fluidez e a qualidade ambiental, já foi apreciada pelo executivo em dezembro passado, mas a oposição pediu o seu adiamento de forma a ouvir a população.

O projeto esteve em consulta pública entre 23 de dezembro e 29 de janeiro -- tendo havido 400 pronúncias -- e foi analisado em debates públicos, um dos quais promovido pela Assembleia Municipal de Lisboa (AML), que também fez várias sugestões.

A AML chegou a propor a substituição das árvores previstas por arbustos, por esta ter sido uma das questões mais polémicas devido à segurança aeronáutica.

Relativamente a essa área, "foi possível encontrar soluções técnicas que respondam de forma eficaz à preocupação expressa quanto aos riscos de 'bird strikes' [colisão entre pássaros e aeronaves]" e ao plano de emergência do aeroporto", adianta Manuel Salgado, sem especificar.

Já no início deste mês, a autarquia tinha garantido que iria aplicar um plano de controlo da avifauna próxima do aeroporto para minorar potenciais riscos para a aviação, segundo uma decisão transmitida ao gabinete que investiga acidentes aéreos.

A proposta que será apreciada na reunião privada de quarta-feira inclui também a "implementação das propostas apresentadas ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes e à Infraestruturas de Portugal para a reformulação dos nós da Buraca e de Sacavém", de forma a "reduzir alguns dos principais constrangimentos atualmente existentes nos movimentos de saída da Segunda Circular e facilitar o encaminhamento do tráfego para a CRIL [Circular Regional Interior de Lisboa]".

"Na sequência deste processo participativo [...] e à luz dos contributos recolhidos, foi alterado o projeto, tendo sido introduzidas melhorias", vinca Manuel Salgado.

Por isso, a Câmara quer um concurso público com publicidade internacional de quase 13 milhões de euros (incluindo o Imposto sobre o Valor Acrescentado), investimento que, na proposta inicial, rondava os 10 milhões.

Também o prazo da obra -- que deve ter início em junho - passou de 10 para oito meses.

Continua a prever-se a reformulação de nós de acesso, a redução da velocidade de 80 para 60 quilómetros/hora, a diminuição da largura da via em alguns locais, a montagem de barreiras acústicas, a reabilitação da drenagem e do piso e a renovação da sinalética e iluminação.

Inicialmente, o município previa 500 árvores ao longo do separador central e cerca de 7.500 na área envolvente à via. Na atual proposta, não está indicado o número de árvores a plantar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.