Cães gigantes, furões e 'geckos' também podem ser animais de companhia

Um cão de 130 quilos, um furão de quilo e meio, ou um 'gecko' (réptil de família dos lagartos) são alguns dos animais que, apesar de não serem muito habituais para companhia, já começam a habitar as casas portuguesas.

As famílias preferem cada vez a companhia de animais pouco habituais, e isso está espelhado no 'Petfestival' - o festival dos animais de estimação, que decorre na Feira Internacional de Lisboa (FIL) desde sexta-feira.

Num dos pavilhões, logo à entrada, está o Clube Português do Furão, um mamífero carnívoro que dorme "16 horas ou mais por dia", e comunica através de um som parecido "com uma galinha".

Em declarações à agência Lusa, a responsável Inês Faria explicou que este "não é um animal para toda a gente, é um animal extremamente complexo, requer muito tempo, muita atenção e dá também uma despesa considerável".

"Eles não são propriamente o tipo de animal que nós chamemos e eles venham, são extremamente interessados nas coisas que eles acham interessantes. Mas sim, eles interagem muito connosco", explicou.

Apontando que um furão "não é animal de gaiola", Inês Faria afirmou que eles "correm, pulam, vão contra os móveis", e quando têm companhia de outros exemplares da mesma espécie, fazem "um espetáculo, são mesmo muito divertidos".

Estes animais gostam também "de se esconder em lugares escuros" e contam com unhas "preparadas para escavar", que "devem ser cortadas a cada duas ou três semanas".

"E eles podem escavar as almofadas, os edredons, podem trepar as cortinas, podem meter-se em toda a espécie de sarilhos", uma vez que "são muito curiosos", contou a responsável do clube.

Junto aos furões estão os répteis. Dentro de umas caixinhas encontram-se os 'geckos', da família dos lagartos.

Marisa Galrito, da loja Tortuga, disse à Lusa que "já começa a ser mais típico" a adoção destes animais, uma vez que os répteis "estão muito na moda", especialmente "entre adolescentes e crianças".

Para ter um destes bichos em casa é preciso desembolsar entre 25 e algumas centenas de euros para os adquirir, sendo necessário colocá-los num terrário com respiração, aquecimento com lâmpadas próprias e decoração adequada.

Quanto à alimentação, é constituída por insetos que têm de estar vivos, uma vez que a caça é natural para estes animais, acrescenta Marisa.

Outra das características do 'gecko' é o armazenamento de nutrientes na cauda, à semelhança das bossas dos camelos.

Ao invés de outros répteis, os 'geckos' não mudam de cor, a não ser "quando mudam a pele e ficam mais esbranquiçados". Estes animais podem então ser "pretos, amarelos, todos brancos, ou ter listas castanhas e amarelas", explicou a lojista.

Atravessando a feira, junto ao ringue onde decorrem as provas de agilidade, encontra-se um dos animais mais imponentes desta feira.

O mastim tibetano é um cão que impressiona pelo peso, porque pode chegar aos 130 quilos, e também pelo preço. Um cachorro pode custar entre os 10 e os 50 mil euros.

Nuno Carlos, criador destes animais, explicou à Lusa que este é "um cão de porte grande, é um cão que é agressivo, é muito protetor, é um cão que precisa de algum espaço para se movimentar".

Apesar do tamanho, é um animal que não dá grandes trabalhos, pelo que a única rotina essencial é o facto de ter de ser penteados "de dois em dois meses".

Originário do continente asiático, esta é uma espécie que foi usada na guerra, mas também para proteger gado e guardar a família, referiu Nuno Carlos, dos Guardiões do Templo.

A edição deste ano do Petfestival chega hoje ao fim. Para além destes animais contou também com peixes, gatos, animais da quinta e até suricatas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.