"Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"

A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou hoje que de "cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior", lembrando que a empresa nem sequer está a pagar a contribuição extraordinária sobre o setor energético.

Questionada hoje pelos jornalistas sobre a notícia do semanário Expresso segundo a qual a EDP pagou apenas 0,7% de IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) em 2017, o que representa a taxa mais baixa entre as empresas cotadas na bolsa portuguesa, Catarina Martins garantiu que os bloquistas estão "muito atentos ao estatuto dos benefícios fiscais e a quem é que eles têm sido atribuídos".

"Para lá dos esclarecimentos que possamos pedir sobre o que foi a cobrança de impostos do ano passado, é bom lembrar que a EDP nem sequer a contribuição extraordinária sobre o setor energético está a pagar nesta altura e que o PS alterou um voto no Orçamento do Estado porque dizia que senão o fizesse teria mais pressão da EDP. Como está à vista cada vez que se cede à chantagem da EDP fica-se pior", criticou.

Já depois da publicação da notícia do Expresso, a elétrica liderada por António Mexia esclareceu que o semanário "confunde o reporte contabilístico refletido no relatório e contas com os valores efetivamente pagos em sede de IRC pela EDP, em Portugal".

"Os cerca de 10 milhões de euros relativos a 2017 que são referidos dizem respeito ao Grupo EDP, que tem atividade em todo o mundo, e beneficiam de um conjunto de eventos ocorridos fora de Portugal, nomeadamente a reforma fiscal nos EUA - equivalente a cerca de 44 milhões de euros - e a isenção de mais valias por venda de ativos em Espanha (cerca de 200 milhões de euros)", refere a elétrica.

Assim, adianta, "o IRC a ser pago em 2018 em Portugal, respeitante a 2017, em nada será impactado por estes eventos".

"O IRC pago em 2016, em Portugal, tinha sido de 333 milhões de euros e, em 2015, foi de 193 milhões de euros", acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...