Marcelo admite que Brexit pode não ser irreversível

Presidente da República considerou "muito positivo" o acordo já estabelecido quanto ao estatuto dos europeus no Reino Unido

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que a saída do Reino Unido da União Europeia pode não ser irreversível, e disse, numa entrevista à SIC-Notícias, estar otimista quanto às negociações do 'Brexit'.

"Não há nada de irreversível em decisões como a que estamos a falar", começou por responder Marcelo quando questionado sobre quem irá perder mais com o 'Brexit', se o Reino Unido ou a União Europeia (UE).

"Importa ao Reino Unido encontrar a melhor solução possível para o Reino Unido, mas também para a Europa"

O Presidente português, entrevistado no programa "Os Europeus", em Florença, Itália, na quinta-feira, na conferência anual organizada pelo Instituto Universitário Europeu de Florença sobre o "Estado da União", disse estar "moderadamente otimista" sobre o andamento das negociações entre Bruxelas e Londres.

Aliás, Marcelo considerou "positivo, muito positivo" o acordo já estabelecido quanto ao estatuto dos europeus no Reino Unido e dos britânicos na UE, em que se incluem milhares de portugueses.

"Importa ao Reino Unido encontrar a melhor solução possível para o Reino Unido, mas também para a Europa", frisou.

Sobre o anunciado encontro entre o Presidente norte-americano, Donadl Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jon-un, o chefe do Estado espera que se realize "e corra bem".

"Pode ser um exemplo de como não avançamos para a guerra fria. O mundo precisa de sinais de distensão, sinais de paz e diálogo, não precisa de sinais de guerra, ou de tensão ou de escalada mesmo que seja meramente verbal", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".