Voluntários e profissionais unem-se para ter voto na matéria

Criaram a Federação Nacional de Bombeiros Portugueses e querem ter representação em todos os órgãos de decisão política e legislativa em matéria de bombeiros e fazer parte da gestão do Fundo Social do Bombeiro

A recém-criada Federação Nacional de Bombeiros Portugueses (FNBP), que une bombeiros voluntários e profissionais pretende ter assento em todos os órgãos de decisão política e legislativa da classe e vai realizar um encontro nacional em 17 de dezembro.

Em conferência de imprensa, elementos da direção da FNBP, que junta a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) e a Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários (APBV), elencaram um conjunto de pretensões, entre as quais ter representação em todos os órgãos de decisão política e legislativa em matéria de bombeiros e fazer parte da gestão do Fundo Social do Bombeiro, entre outras, insistindo que "o sector está unido".

A formação dos bombeiros e o papel da Escola Nacional de Bombeiros, a aposentação e a profissão de desgaste rápido, bem como os seguros de vida e de acidentes são itens sobre os quais a FNBP pretende dar o seu contributo.

"Nós sabemos muito bem o que queremos e o que fazemos, no terreno trabalhamos em conjunto, mas às vezes para esconder problemas estruturais de organização usam-nos. É altura de ouvirem as nossas propostas", disse Sérgio Carvalho, vice-presidente da ANBP, sublinhando que a Escola Nacional de Bombeiros "tem de ser revista" e que deve estar na dependência direta da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Segundo Rui Silva, presidente da APBV, "a federação entende que é necessário profissionalizar mais e melhor o sector e discorda dos atuais modelos", alertando que atualmente em Portugal há "um socorro de primeira, segunda e terceira classes", dependendo do local onde é prestado.

Outra questão levantada por Rui Silva prende-se com o pagamento de seguros: "não é possível que um bombeiro voluntário que tenha um acidente receba o seguro de acidentes pessoais indexado ao salário mínimo nacional".

"Não chega só chamarem-nos heróis. Gostaria que quem tutela tivesse algum cuidado nestes aspetos. São estas questões que unem bombeiros voluntários ou profissionais", frisou.

Fazer parte da gestão do Fundo Social é outra das reivindicações da federação que pretende que o montante do fundo seja tornado público e que o apoio aos bombeiros seja mais célere.

"O fundo foi criado para os bombeiros, mas os bombeiros não veem o reflexo do fundo nem sabemos qual é o valor que tem, quantos milhões tem. Se é para apoiar os bombeiros nos acidentes, às famílias para as propinas da escola onde anda essa fundo e como chega aos bombeiros", questionou Sérgio Carvalho.

Outra das críticas apontadas pela Federação é a idade da reforma dos bombeiros que está definida nos 66 anos e quatro meses, recordando que quase 200 bombeiros ficaram acidentados nos incêndios de verão e que lhes retiraram a bonificação que permitia antecipar cinco a seis anos a reforma.

Para as próximas semanas, mas ainda sem data marcada, está prevista uma reunião da federação com o secretário de Estado da Administração Interna.

Além do encontro nacional marcado para 17 de dezembro em Carnaxide, a FNBP pretende elaborar uma Carta de Princípios ressalvando que "não pretende ser uma força de oposição, mas de colaboração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.