Mercado do Bolhão muda-se para centro comercial por dois anos

A medida, hoje anunciada pelo presidente da Câmara do porto, é temporária

O centro comercial La Vie Porto vai acolher temporariamente, a partir do primeiro trimestre de 2017 e durante cerca de dois anos, os comerciantes do Mercado do Bolhão, anunciou hoje o presidente da Câmara do Porto.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião extraordinária pública do executivo com o Bolhão como ponto único da agenda, Rui Moreira afirmou que "o La Vie é de caras a melhor solução" para mercado temporário, por ser muito próximo daquele espaço emblemático da cidade, por "ser um sítio muito confortável com boas ligações ao metro".

Os comerciantes ficarão ali instalados durante o período de realização da empreitada de restauro e modernização do Bolhão, prevista para o primeiro trimestre de 2019 e que terá a primeira fase (desvio de uma linha de água) a arrancar já na próxima semana.

"Estamos a fazer um mercado para os próximos 30 anos", afirmou o autarca na reunião, acrescentando que a cidade vai ter "um mercado tradicional, de frescos", e a autarquia vai "respeitar e preservar os direitos" de todas as pessoas "que ainda lá trabalham", elogiando o facto de terem "resistido tanto tempo".

Aos jornalistas, Rui Moreira sublinhou que, no final da empreitada, o mercado será sustentável com uma ocupação de 80% e admitiu conseguir "ir buscar outras receitas na área do 'merchandising' e do mecenato".

"Acreditamos que isto não vai onerar as contas futuras da Câmara", vincou, acrescentando que, mesmo sem a verba do PEDU destinada ao Bolhão, "a Câmara tem neste momento os recursos financeiros disponíveis para esse investimento" global de 27 milhões de euros, disse.

Moreira afirmou não considerar que a existência de um mercado temporário durante dois anos acabe com o Bolhão, afirmando que os lojistas "vão precisar de um tempo de adaptação às novas regras", sendo que a câmara acabou por "fechar os olhos a um conjunto de ilegalidades" durante muito tempo.

"Quem faz compras no Bolhão, quem são? Os turistas, e então os comerciantes que estavam legalizados para vender fruta estavam a vender camisolas do Cristiano Ronaldo e é natural, porque se assim não fosse tinham morrido", disse, "vamos precisar de um tempo de adaptação, de um tempo de formação".

Para Moreira, este projeto de restauro e modernização do Bolhão "é muito prudente e pouco aventureirista".

"Estamos a fazer isto muito virado para as pessoas, muito destinado aos cidadãos do Porto e arredores, com questões logísticas acauteladas. Não vamos ter aqui uma Disneyland, vamos ter um mercado mesmo, onde pretendemos que as pessoas voltem a fazer compras, e também assim acreditamos que as pessoas voltem a viver na cidade", afirmou o autarca aos jornalistas.

De acordo com informação disponibilizada hoje pelo Gabinete do Mercado do Bolhão, a empreitada do desvio de água, que não terá qualquer implicação para os comerciantes, ficará concluída no 1.º trimestre de 2017, altura em que serão transferidos para o mercado temporário.

A empreitada de restauro e modernização do Bolhão terá início no 2.º trimestre do próximo ano, bem como a construção de um túnel de acesso a uma cave logística no mercado - para cargas/descargas --, que terá início na rua do Ateneu Comercial do Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.