Bloco quer banir glifosato dos espaços públicos

Pedro Filipe Soares anuncia proposta para proibir a aplicação de produtos com o herbicida potencialmente cancerígeno nas zonas urbanas, de lazer e vias de comunicação

O Bloco de Esquerda (BE) quer proibir a aplicação de produtos que contenham glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação e pela voz do líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, anunciou esta terça-feira, em Évora, que vai apresentar um projeto de lei nesse sentido.

No encerramento das jornadas parlamentares dos bloquistas, que teve lugar Teatro Garcia de Resende, Pedro Filipe Soares explicou que o glifosato "é um herbicida classificado pela Organização Mundial de Saúde como comprovadamente cancerígeno em animais e provavelmente cancerígeno em humanos", motivo pelo qual constitui um risco para a saúde pública que o Bloco não quer votar ao esquecimento.

O líder da bancada do BE recordou que o seu partido fez perguntas "a todas as câmaras municipais do país" acerca da utilização de glifosato e notou que, "daquelas que responderam", cerca de "um terço" ainda o usavam ou deixaram de o fazer "recentemente".

Recordando que no mês passado (15 de abril) um projeto de resolução do BE sobre esta matéria, ainda que para banir a utilização do glifosato do espaço comunitário, foi rejeitado no Parlamento - com a abstenção do PS e PCP e os votos contra das bancadas do PSD e do CDS -, Pedro Filipe Soares reforçou que, entretanto, "muitas ideias feitas foram sendo desconstruídas pela realidade" e subiu o tom. Perante o "perigo imenso" que o recurso àquele herbicida significa, sugeriu que é preciso "bater o pé" para que também na Europa a sua utilização seja vedada.

Assim, o diploma do Bloco prevê que, "sem prejuízo das demais proibições constantes da presente lei ou de outros diplomas, é proibida a aplicação de quaisquer produtos fitofarmacêuticos contendo glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação". E mais: o partido liderado por Catarina Martins quer amarrar o PS a esta proposta, propondo que o governo prepare, "no prazo de um ano e através dos respetivos serviços, um relatório de avaliação dos efeitos do glifosato na saúde humana".

Esse ponto em particular, pode ler-se no articulado do BE, visa "reanalisar a classificação da perigosidade do glifosato", a "necessidade de instituir medidas restritivas adicionais" em torno de produtos que contenham aquele herbicida e ainda "medidas adicionais de proteção da saúde humana no quadro da utilização do glifosato".

Pedro Filipe Soares adiantou igualmente que o Bloco vai fazer o agendamento potestativo da discussão sobre o glifosato para o próximo dia 18. Já o debate sobre as iniciativas bloquistas de combate às offshore deverá ser agendado para 9 de junho.

Os próximos seis meses da "geringonça"

No início da intervenção, o líder da bancada do BE fez um balanço dos primeiros seis meses da "batizada geringonça". Elencou várias medidas que entraram em vigor por iniciativa ou com dedo do seu partido e ainda destacou a aprovação do Orçamento do Estado para este ano, um processo que qualificou como "difícil e exigente".

De caminho, projetou o futuro mais imediato e foi ao encontro das palavras da véspera de Catarina Martins. Ou seja, jura de fidelidade ao PS, mas sempre com exigência. "Só podemos esperar que os seis meses seguintes sejam de mais conquistas e mais cumprimento da palavra que demos aos nossos eleitores", afirmou Pedro Filipe Soares.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.