Bloco quer banir glifosato dos espaços públicos

Pedro Filipe Soares anuncia proposta para proibir a aplicação de produtos com o herbicida potencialmente cancerígeno nas zonas urbanas, de lazer e vias de comunicação

O Bloco de Esquerda (BE) quer proibir a aplicação de produtos que contenham glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação e pela voz do líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, anunciou esta terça-feira, em Évora, que vai apresentar um projeto de lei nesse sentido.

No encerramento das jornadas parlamentares dos bloquistas, que teve lugar Teatro Garcia de Resende, Pedro Filipe Soares explicou que o glifosato "é um herbicida classificado pela Organização Mundial de Saúde como comprovadamente cancerígeno em animais e provavelmente cancerígeno em humanos", motivo pelo qual constitui um risco para a saúde pública que o Bloco não quer votar ao esquecimento.

O líder da bancada do BE recordou que o seu partido fez perguntas "a todas as câmaras municipais do país" acerca da utilização de glifosato e notou que, "daquelas que responderam", cerca de "um terço" ainda o usavam ou deixaram de o fazer "recentemente".

Recordando que no mês passado (15 de abril) um projeto de resolução do BE sobre esta matéria, ainda que para banir a utilização do glifosato do espaço comunitário, foi rejeitado no Parlamento - com a abstenção do PS e PCP e os votos contra das bancadas do PSD e do CDS -, Pedro Filipe Soares reforçou que, entretanto, "muitas ideias feitas foram sendo desconstruídas pela realidade" e subiu o tom. Perante o "perigo imenso" que o recurso àquele herbicida significa, sugeriu que é preciso "bater o pé" para que também na Europa a sua utilização seja vedada.

Assim, o diploma do Bloco prevê que, "sem prejuízo das demais proibições constantes da presente lei ou de outros diplomas, é proibida a aplicação de quaisquer produtos fitofarmacêuticos contendo glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação". E mais: o partido liderado por Catarina Martins quer amarrar o PS a esta proposta, propondo que o governo prepare, "no prazo de um ano e através dos respetivos serviços, um relatório de avaliação dos efeitos do glifosato na saúde humana".

Esse ponto em particular, pode ler-se no articulado do BE, visa "reanalisar a classificação da perigosidade do glifosato", a "necessidade de instituir medidas restritivas adicionais" em torno de produtos que contenham aquele herbicida e ainda "medidas adicionais de proteção da saúde humana no quadro da utilização do glifosato".

Pedro Filipe Soares adiantou igualmente que o Bloco vai fazer o agendamento potestativo da discussão sobre o glifosato para o próximo dia 18. Já o debate sobre as iniciativas bloquistas de combate às offshore deverá ser agendado para 9 de junho.

Os próximos seis meses da "geringonça"

No início da intervenção, o líder da bancada do BE fez um balanço dos primeiros seis meses da "batizada geringonça". Elencou várias medidas que entraram em vigor por iniciativa ou com dedo do seu partido e ainda destacou a aprovação do Orçamento do Estado para este ano, um processo que qualificou como "difícil e exigente".

De caminho, projetou o futuro mais imediato e foi ao encontro das palavras da véspera de Catarina Martins. Ou seja, jura de fidelidade ao PS, mas sempre com exigência. "Só podemos esperar que os seis meses seguintes sejam de mais conquistas e mais cumprimento da palavra que demos aos nossos eleitores", afirmou Pedro Filipe Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.